O legado afroindígena aos curadores da Pedreira: pajelança em processos criminais em Belém do Pará (1929-1933)

Main Article Content

Antonio Maurício Dias da Costa
Juliana dos Santos Carvalho

Abstract

The article studies the pressing of charges of “illegal practice of medical treatments” concerning African religious rituals in Pedreira district, in Belém, north of Brazil. The analysis focuses the police actions against the religious rites of cure, named commonly pajelança by agents of law enforcement, in criminal indictments produced in 1929, 1930 and 1933. In support to the research, we examined writings by regional intellectuals published in the 1930’s, which created representations related to the pajé (shaman) character. The research embraces an anthropological attitude in the examination of criminal files, following the historian Carlo Ginzburg, in order to scrutinize the dialogical clash between accusers, defendants and witnesses around claims of wizardry and witchcraft. The enquiry on the repression against popular crafts of healing, of African and Indigenous heritage, pursues the conflict of senses involving subjects in uneven positions, who produced meanings related to the semantic diverseness of pajelança.

Article Details

How to Cite
Costa, A. M., & Carvalho, J. (2019). O legado afroindígena aos curadores da Pedreira: pajelança em processos criminais em Belém do Pará (1929-1933). Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 8(1-2), 229-249. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/114793
Section
Dossier
Author Biography

Juliana dos Santos Carvalho, Universidade Federal do Pará

Undergraduate student in History at Universidade Federal do Pará (UFPA) and junior researcher of the Institutional Program of Scientific Scholarship Fund, from the National Council of Technological and Scientific Development (PIBIC-CNPq).

References

Alvarenga, Oneyda. 1950. Babassuê. Registros Sonoros de Folclore Musical Brasileiro IV. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo.

Boyer-Araújo, Véronique. 1992. De la campagne à la ville : la migracion du caboclo. Cahiers d’études africaines, vol. 32, n. 125, pp. 109-127.

Carlini, Álvaro. 1994. Cante lá que gravam cá: Mário de Andrade e a Missão de Pesquisas Folclóricas de 1938. Dissertação de Mestrado em História. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Carvalho, José. 1973. O Matuto Cearense e o Caboclo do Pará. Fortaleza: Imprensa da UFC.

Evangelista, Sheila. 2012. O Arraial do Espiritismo: a médium Anna Prado, positivistas, espíritas e Católicos em Belém (1918-1923). Dissertação de Mestrado em História. Belém: Universidade Federal do Pará.

Figueiredo, Napoleão; Silva, Anaíza Vergolino. 1967. Alguns elementos novos para o estudo dos batuques de Belém. Atas do Simpósio sobre a Biota Amazônica, vol. 2 (Antropologia): 101-122.

Figueiredo, Napoleão. 1979. Rezadores, Pajés & Puçangas. Belém: Edufpa; São Paulo: Boitempo.

Figueiredo, Napoleão. 1981. Todas as divindades se encontram nas “Encantarias” de Belém. Ciência e Trópico. Recife, 9 (1), jan./jun., 51-66.

Figueiredo, Napoleão. 1983. Banhos de Cheiro, Ariachés e Amacis. Rio de Janeiro: Funarte.

Figueiredo, Aldrin. 2008. A Cidade dos Encantados: pajelanças, feitiçarias e religiões afro-brasileiras na Amazônia (1870-1950). Belém: Edufpa.

Ginzburg, Carlo. 1988. Os Andarilhos do Bem: feitiçarias e cultos agrários nos séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras.

Ginzburg, Carlo. 2006. O Queijo e os Vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras.

Ginzburg, Carlo. 2007. O Inquisidor como Antropólogo. In: Ginzburg, Carlo. Os Fios e os Rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras.

Larêdo, Salomão. 2007. Raymundo Moraes, na planície do esquecimento. Dissertação de Mestrado em Letras. Belém: Universidade Federal do Pará.

Leacock, Seth; Leacock, Ruth. 1972. Spirits of the deep: a study of na Afro-Brazilian Cult. New York: Doubleday National History Press.

Lewis, Ioan. 1977. Êxtase Religioso: um estudo antropológico da possessão por espírito e do xamanismo. São Paulo: Perspectiva.

Maggie, Yvonne. 1992. Medo do Feitiço: relações entre magia e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Moraes, Raymundo. 1930. No Paiz das Pedras Verdes. Manaus: Imprensa Pública do Amazonas.

Moreira, Francisco Solerno. 1989. Subsídio para a História do Espiritismo no Pará. In: Moreira, Eidorfe. Obras Reunidas, vol. VIII. Belém: CEJUP.

Pacheco, Agenor Sarraf. 2010. Encantarias Afroindígenas na Amazônia Marajoara: narrativas, práticas de cura e (in)tolerâncias religiosas. Horizonte, Belo Horizonte, v. 8, n. 17, pp. 88-108, abr./jun.

Salles, Vicente. 1969. Cachaça, Pena e Maracá. Brasil Açucareiro, Rio de Janeiro, Ano XXXVII, Vol. LXXIV, n. 6, agosto, pp. 46-55.

Santos, Thiago. 2014. Pajelança: religião e sociedade no século XIX e XX. Anais da 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, Natal-RN, agosto.

Silva, Anaíza Vergolino. 2002. Os cultos afros do Pará. In Fontes, Edilza (ed.), Contando a histó¬ria do Pará: diálogos entre história e antropolo¬gia. Belém: E. Motion.

Silva, Anaíza Vergolino. 2015. Tambor das Flores. Belém: Paka-Tatu.

Tupinambá, Pedro. 1973. Batuques de Belém. Belém: Academia Paraense de Letras.