Aceitação do autoritarismo num contexto brasileiro em 2015: Indícios de um código social autoritário

Main Article Content

João Wachelke
Alyssa Magalhães Prado

Abstract

This article is the result of two studies carried out in 2015 in a middle-sized city from countryside Brazil, in which adolescents and adults completed questionnaires about the submission to authority, acceptance of leadership and obedience. Response frequency analyses and the identification of profiles allowed to conclude that there is a predominance of the acceptance of authoritarian ideas, even if the use of the term dictatorship is rejected. Adults contrast with adolescents by the higher support of religious leaders. The discussion deals with the rejection of dictatorship by its negative connotation, though authoritarian practices and ideals are supported, and also concerns the interpretation of an authoritarian social code in the time of the study which, if generalized, makes it possible to explain the compatibility of the later choice in the presidential election.

Article Details

How to Cite
Wachelke, J., & Magalhães Prado, A. (2020). Aceitação do autoritarismo num contexto brasileiro em 2015: Indícios de um código social autoritário. Brasiliana: Journal for Brazilian Studies, 9(1), 412-432. https://doi.org/10.25160/bjbs.v9i1.114724
Section
General Articles

References

Adorno, T., Frenkel-Brunswik, E., Levinson, D. J., Sanford, R. N. The authoritarian personality. Nova Iorque: W. W. Norton & Company, 1982.

Altemeyer, B. Right wing authoritarianism.Winnipeg: University of Manitoba Press, 1981.

Altemeyer, B. The authoritarian specter. Massachusetts: Harvard University Press, 1996.
Arenari, B., e Torres, R. “Os batalhadores e o pentecostalismo: um encontro entre classe e religião”. In Os batalhadores brasileiros. Nova classe média ou nova classe trabalhadora? 2ª ed., organizado por J. Souza, 311-348. Belo Horizonte: UFMG, 2012.

Barros, T. S., Torres, A. R. R., e Pereira, C. “Autoritarismo e adesão a sistemas de valores psicossociais”. Psico USF 14, no. 1 (2009): 45-57.

Bauman, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

Bourdieu, P. “The forms of capital”. In The handbook of theory and research for the sociology of education, organizado por J. Richardson, 241-258. Wesport: Greenwood, 1986.

Buchmann, C. “Measuring family background in international studies of education: conceptual issues and methodological challenges”. In Methodological advances in cross-national surveys of educational achievement, organizado por A. Porter e A. Gamoran, 150-197. Washington: National Academy Press, 2002.

Braz, M. “O golpe nas ilusões democráticas e a ascensão do conservadorismo reacionário”. Serviço Social & Sociedade no. 128 (2017): 85-103.

Campos, M. M. e Cardoso, V. A. R. “Impeachment: uma análise do enquadramento noticioso da Folha de S. Paulo”. In Anais do XXII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, Volta Redonda, jun. 2017. Acesso em: http://portalintercom.org.br/anais/sudeste2017/resumos/R58-0336-1.pdf

Campos, M. M. e Cardoso, V. A. R. “Impeachment: uma análise do enquadramento noticioso da Folha de S. Paulo”. In Anais do XXII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, Volta Redonda, jun. 2017. Recuperado de http://portalintercom.org.br/anais/sudeste2017/resumos/R58-0336-1.pdf

Cavalcanti, A. P. R. Relações entre preconceito religioso, preconceito racial e autoritarismo de direita: uma análise psicossocial. Tese de Doutorado em Psicologia Social. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

DaMatta, R. Carnavais, malandros e heróis. Para uma sociologia do dilema brasileiro. 6ª ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

Dibai, P. C. A direita radical no Brasil pós-redemocratização: o caso de Jair Bolsonaro. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2018.

Datafolha Instituto de Pesquisas. Perfil e opinião dos evangélicos no Brasil – total da amostra. Recuperado de http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2016/12/28/da39a3ee5e6b4b0d3255bfef95601890afd80709.pdf

Duckitt, J., Bizumic, B., Krauss, S. W., e Heled, E. “A tripartite approach to right-wing authoritarianism: the authoritarianism-conservatism-traditionalism model”. In Political Psychology 31, no. 5 (2010): 685-715.

Eco, U. Tratado geral de semiótica. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva.

Etchezahar, E. “Las dimensiones del autoritarismo: análisis de la Escala de Autoritarismo del Ala de las Derechas (RWA) en una muestra de estudiantes universitarios de la ciudad de Buenos Aires”. Psicología Política 12, no. 25 (2012): 591-603.

Faoro, R. Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro. 5ª ed. São Paulo: Globo, 2012.

Gallego, E. S. “La bolsonarización de Brasil”. In Documentos de Trabajo IELAT, no. 121, abril. 2019. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6914400.pdf

Gohn, M. G. Movimentos sociais e redes de mobilizações no Brasil contemporâneo. Petrópolis: Vozes, 2013.

Gomes Silva, I. “A agenda conservadora assume o centro da cena política no Brasil”. In Lutas Sociais 20, no. 36 (2016): 140-150.

Gonçalves, C. P. Discurso político violento, autoritarismo e envolvimento com política: um estudo experimental. Dissertação de Mestrado em Administração. Universidade do Grande Rio, Rio de Janeiro, 2017.

Gouveia, V. V., Vione, K. C., Milfont, T. L., e Fischer, R. “Patterns of value change during the life span: some evidence from a functional approach to values” In Personality and Social Psychology Bulletin 41, no. 9 (2015): 1276-1290.

Gower, J. C. “A general coefficient of similarity and some of its properties”. In Biometrics 27, no. 4 (1971): 857-871.

Holanda, S. B. Raízes do Brasil, 26ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Jinkings, I., Doria, K., e Cleto, M., organizadores. Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

Lipovetsky, G. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Barueri: Manole, 2005.

Kassambara, A. Practical guide to cluster analysis in R. Unsupervised machine learning. STHDA, 2016.

Maechler, M., Rousseeuw, P., Struyf, A., Hubert, M., e Hornik, K. ). cluster: Cluster analysis basics and extensions. R package version 2.0.7-1.

Maechler, M., Rousseeuw, P., Struyf, A., Hubert, M., & Hornik, K. cluster: Cluster analysis basics and extensions. R package version 2.0.7-1. CRAN, 2018.

Manganelli Rattazzi, A. M., Bobbio, A., e Canova, L. “A short version of the Right-Wing Authoritarianism (RWA) scale”. In Personality and Individual Differences 43, no. 5 (2007), 1223-1234.

Mariano, R. e Gerardi, D. A. “Eleições presidenciais na América Latina em 2018 e ativismo político de evangélicos conservadores”. In Revista USP 120 (2019): 61-76.

Messemberg, D. “A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros”. In Sociedade e Estado 32, no. 3 (2017): 621-648.

Orlandi, E. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4ª ed. Campinas: Pontes, 1996.

Pasquali, L. “Escalas psicométricas”. In Instrumentação psicológica. Fundamentos e práticas, organizado por L. Pasquali, 262-272. Porto Alegre: Artes Médicas, 2010.

Passos, M. R., e Baptista, E. A. “Impeachment versus golpe: a disputa de narrativas no contexto político brasileiro de 2016”. In Revista Eptic 20, no. 2. (2018): 103-124.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. CRAN, 2019. Recuperado de https://www.R-project.org

Rizzotto, C., Prudencio, K. e Sampaio R. “Tudo normal: a despolitização no enquadramento multimodal da cobertura do impeachment de Dilma Rousseff”. In Comunicação & Sociedade 39, no. 3 (2017): 111-130.

Rouquette, M.-L. “La pensée sociale”. In Introduction à la psychologie sociale. V. 2, organizado por S. Moscovici, 299-327. Paris: Larousse, 1973.

Rouquette, M.-L. Sur la connaissance des masses. Essai de psychologie politique.Grenoble: PUG, 1994.

Rouquette, M.-L. “Qu’est-ce que la pensée sociale?” In La pensée sociale: perspectives fondamentales et recherches appliquées, organizado por M.-L. Rouquette, 5-10. Toulouse: Érès, 2009.

Sá, C. P., Castro, R. V., Möller, R. C., Perez, J. A., e Bezerra, F. C. C. “A memória histórica do Regime Militar em três gerações: conteúdos factuais e juízos críticos. In Psicologia Teoria e Prática 10, no. 1 (2008): 36-51.

Santos, W. S., Guerra, V. M., Coelho, J. A. P. M., Gouveia, V. V. e Souza, L. E. C. “A influência dos valores humanos no compromisso religioso”. In Psicologia Teoria e Pesquisa 28, no. 3 (2012): 285-292.

Skidmore, T. E. Preto no branco. Raça e nacionalidade no pensamento brasileiro (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Singer, A. “Brasil, junho de 2013. Classes e ideologias cruzadas”. In Novos Estudos CEBRAP 97 (2013): 23-40.

Souza, C. P. G. A influência do autoritarismo e do locus de controlo nas atitudes homofóbicas. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2016.

Stoppino, M. “Autoritarismo”. In Dicionário de Política, 10ª. ed., organizado por N. Bobbio, N. Matteucci e G. Pasquino, 92-104. Brasília, UnB, 1998.

Van Hiel, A, Duriez, B. e Kossowska, M. “The presence of left-wing authoritarianism in Western Europe and its relationship with conservative ideology”. In Political Psychology 25, no. 5 (2006): 769-793.

Vilanova, F., Sousa, D. A., Koller, S. H. e Costa, A. B. “Adaptação transcultural e estrutura fatorial da versão brasileira da escala Right-Wing Authoritarianism”. In Trends in Psychology 26, no. 3 (2018): 1299-1316.

Vilela, M. O. A personalidade autoritária do chão de fábrica à gerência: um estudo aplicando a escala RWA adaptada da escala “F” de Adorno. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

Wachelke, J. “Avaliação de adolescentes sobre a importância de valores para a sociedade: relações com classe econômica e escolaridade dos pais”. In Psychologica 61, no. 2 (2018): 47-68.

Wachelke, J. e Hammes, I. C. “Representações sociais sobre política segundo posicionamento político na campanha eleitoral de 2006”. In Psicologia em Estudo 14, no. 3 (2009): 519-528.

Zakrisson, I. “Construction of a short version of the Right Wing Authoritarianism (RWA) scale”. In Personality and Individual Differences 39, no. 5 (2005): 863-872.