Quanto vale uma Chanchada? Disputas conceituais e valorativas em torno das comédias cinematográficas brasileiras (1940-50)

Main Article Content

Guilherme Maia
Euro Prédes De Azevedo

Abstract

Este artigo tem como objetivo identificar ‘pontos de contato’, interfaces entre os discursos acerca das comédias cinematográficas brasileiras que se tornaram conhecidas como chanchadas e os próprios filmes, em sua dimensão imanente, a partir da análise fílmica; em outras palavras, fazer encontrarem-se contexto e texto, discurso crítico e interpretação das obras. A primeira parte — metacrítica — revisita discursos acerca das chanchadas e observa uma mudança radical de polaridade na atribuição de valor a essa classe de filmes, que transita entre ser o mais desprezível e subserviente dos cinemas e ser um gênero subversivo, talvez o único que poderia ser considerado genuinamente brasileiro. O segundo momento — analítico —examina os filmes Nem Sansão nem Dalila e Matar ou correr, ambos dirigidos por Carlos Manga e lançados em 1954, com o intuito de procurar, nas obras, elementos que justifiquem a existência de duas visões tão opostas sobre um mesmo fenômeno. Percebendo a paródia como elemento fundamental da interface contexto-texto, tentamos também propor dois novos caminhos interpretativos para o estudo do gênero: um que trate os filmes a partir daquilo que têm de singular — o viés cômico — e outro que revela interessantes conexões entre as chanchadas e o cinema moderno brasileiro.

Article Details

How to Cite
Maia, G., & De Azevedo, E. (2018). Quanto vale uma Chanchada? Disputas conceituais e valorativas em torno das comédias cinematográficas brasileiras (1940-50). Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 6(1), 105-125. https://doi.org/10.25160/v6.i1/d6
Section
Dossier
Author Biographies

Guilherme Maia, Universidade Federal da Bahia

Professor Adjunto da Faculdade de Comunicação e do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia

Euro Prédes De Azevedo, UFBA - Universidade Federal da Bahia

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemprâneas.

References

Aristóteles. 2000. “Poética”. Tradução de Eudoro de Souza. Coleção Os Pensadores: Aristóteles, v. II. São Paulo: Abril Cultural, p. 245-286.            

Augusto, Sérgio. 1989. Este mundo é um pandeiro: a chanchada de Getúlio a JK. São Paulo: Cinemateca Brasileira/ Companhia das Letras.           

Bakhtin, Mikhail. 2010. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec.    

Baladi, Mauro. 2013. Dicionário de filmes brasileiros: filmes de longa-metragem produzidos entre 1909 e 2012. São Paulo: Martins Fontes.


Bentes, Ivana. 2002. Terra de fome e sonho: o paraíso material de Glauber Rocha. <http://www.bocc.ubi.pt/pag/bentes-ivana-glauber-rocha.html>

Acessado em 03/03/2016. 

Bernadet, Jean-Claude. 2009. Cinema brasileiro: propostas para uma história. São Paulo: Companhia das letras.       

Canosa, Fabiano. 1977. “Cinema brasileiro: ontem, hoje e amanhã”. Revista Cultura. Ano 6, n.24, jan/mar, p.8-21.        

Catani, Afrânio Mendes e S., José I. de Melo. 1983. A chanchada no cinema brasileiro. São Paulo: Brasiliense.         

Corominas Joan; Pascual, José A. Diccionario crítico etimológico castellano e hispánico. Madrid: Editorial Gredos, 1980.     

Desbois, Laurent. 2016. A odisseia do Cinema Brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras.     

Freire, Rafael de Luna. 2011. “Descascando o abacaxi carnavalesco da chanchada: a invenção de um gênero cinematográfico nacional.” Revista Contracampo, n. 23, p. 66-85.

           
Freire, Alcides Ramos. 2005. “Historiografia do cinema brasileiro diante das fronteiras entre o trágico e o cômico: redescobrindo a “Chanchada”.” Fênix Revista de História e Estudos Culturais, p. 1-15.        

Gomes, Paulo Emílio S. 1980. Cinema: Trajetória no Subdesenvolvimento. 2.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.


Gonzaga, Adhemar e Gomes, Paulo Emílio S. 1966. 70 anos de cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.


González, Mario. 1994. A saga do anti-herói: estudo sobre o romance picaresco espanhol e algumas de suas correspondências na literatura brasileira. São Paulo: Nova Alexandria.     

Meirelles, William Reis. 2005. Paródia & chanchada: imagens do Brasil na cultura das classes populares. Eduel. 

Mendes, Cleise Furtado. 2008. A gargalhada de Ulisses: a catarse na comédia. São Paulo: Perspectiva.           

Mendes, Cleise Furtado. 1995. As estratégias do drama. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA.   

Napolitano, Marcos. 2009. “O fantasma de um clássico: recepção e reminiscências de Favela dos Meus Amores (H. Mauro, 1935).” Significação: Revista de cultura audiovisual. V. 36, nº32, p. 137-57.        

Neves, David. 2001. “Por uma estética cinematográfica brasileira.” Cinemais: Revista de cinema e outras questões audiovisuais, nº 31, Setembro/outubro, ps. 39-51. (Originalmente publicado em 1977).          

 

Neves, Luiz Felipe B. 1974. “A ideologia da seriedade.” Revista de Cultura Vozes, ano, v. 68, p. 32-41.


Pereira, Ladenilson José. 2009. “Cinema no ensino de história: as chanchadas e os anos 1950.” Cadernos de Pós-Graduação, v. 5, n. 1, p. 207-218.         

Ramos, Augusto e Hefner, Hernani. 2000. “Cinédia”. In: Ramos, Fernão e Miranda, Luís Felipe (org.). Enciclopédia do Cinema Brasileiro. São Paulo: Editora Senac, p. 130-132.


Rocha, Glauber. 1981. Revolução do cinema novo. Rio de Janeiro: Alhambra, 1981.          
Rocha, Glauber. 2003. Revisão crítica do cinema brasileiro. São Paulo: Cosac Naify, 2003. (Originalmente publicado em 1963).


Rocha, Gilmar. 2012. “Eternos vagabundos: malandros, palhaços e caipiras no mundo da chanchada.” Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, V. 43, 2012.    

Shaw, Lisa. 2007. “A imitação cultural na chanchada: o caso de Quem roubou meu samba? e Rio, Zona Norte.” Revista Alceu, v. 8, n. 15, p. 69-81. 

Vieira, João Luiz. 1987. A chanchada e o cinema carioca (1930-1955). In: Ramos, Fernão Fernão. História do Cinema Brasileiro. São Paulo: Art Editora.        

Vieira, João Luiz. 2000a. “Chanchada e a estética do lixo.” Revista Contracampo, no  05, p. 169-82    

Vieira, João Luiz. 2000b. “Chanchada” (verbete). In: Ramos, Fernão Pessoa e  Miranda, Luiz Felipe (orgs.). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: SENAC Editora.    

Vieira, João Luiz. 2011. O corpo popular, a chanchada revisitada, ou a comédia carioca por excelência. Revista Acervo, v. 16, n. 1, p. 45-62.

Vieira, João Luiz. 2007. Cinema Brasileiro Marginal: humor, paródia e chanchada às avessas. In: Bragança, Gustavo; Freire, Rafael de Luna e Boillet, Rodrigo. A invenção do cinema marginal. Rio de Janeiro: Tela Brasilis.


Villaça, Mariana Martins. 2002. “América Nuestra: Glauber Rocha e o cinema cubano.” Revista Brasileira de História, v. 22, n. 44, p. 489-510.    

Xavier, Ismail. 2001. O cinema brasileiro moderno. Rio de Janeiro: Paz e Terra.