Dificuldades brasileiras no setor de Energia elétrica nos anos de 2014 e 2015: Uma perspectiva da população de Guarus em Campos dos Goytacazes RJ

  • jackeline Hatala Jalles Instituto Federal Fluminense
  • Jonathan Velasco Silva
  • Caio Silva Carneiro
Keywords: Crise Energética, Escassez de água, Consumidores residenciais.

Abstract

O setor de energia elétrica brasileiro passou por grande dificuldade na geração nos anos de 2014 e 2015. Com uma matriz energética em que a maior fonte de energia é a hidráulica, o país sentiu o reflexo da seca, a qual ocasionou uma baixa no volume de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas. Com a utilização de outras fontes de energia, o custo de geração elevou-se, provocando um aumento nas contas de energia da população.  Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa feita por meio da aplicação de um questionário de abordagem quantitativa, estruturado e objetivo descritivo, de como ocorreu o consumo de energia nas residências dos moradores da região do distrito de Guarus na cidade de Campos dos Goytacazes/RJ durante o período mais intenso de crise. Além disso, foi observado as medidas utilizadas por esta população a fim de reduzir o consumo de energia elétrica em suas residências. Quanto aos motivos que levaram à alta da conta de energia elétrica, 28% dos entrevistados atribuíram isso à corrupção no governo, enquanto 31% não souberam dizer os motivos. Além disso, há ainda uma porcentagem de 9% dos entrevistados que desconhecem a existência do aumento. Os dados mostram também que, em média, 10% da renda familiar é destinada ao pagamento da tarifa de eletricidade. A maioria dos entrevistados, cerca de 80%, afirmou estar adotando medidas como manter as luzes e equipamentos desligados quando não havia pessoas no ambiente. Os resultados mostram que as pessoas buscam formas de economizar energia e não estavam satisfeitas com o aumento das tarifas, no entanto, mostra que a população não tem um olhar crítico quanto ao motivo que levou a crise no setor elétrico se sobressaindo a corrupção na política brasileira .

References

ACHÃO, C. da C. L. Análise de estrutura de consumo de energia pelo setor residencial brasileiro. Dissertação (Mestrado em Ciências – Planejamento Energético) - COPPE/UFRJ. Rio de Janeiro: 2003. AFONSO, G. S. Análise dos Instrumentos Normativos de Suporte à Geração Solar Fotovoltaica Distribuída Conectada à Rede de Distribuição. 2012. 146 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica, Publicação PPGENE.DM - 489/2012) - Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade de Brasília, Brasília, DF. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/12051/1/2012_GeraldoSidneiAfonso.pdf&gt;. Acessado em: abr. 2016. ANDRADE, F. V. Projeções e avaliação do consumo de energia elétrica para o setor residencial brasileiro a partir da técnica de decomposição Logarithmic Mean Divisia Index (LMDI). 2014. 155p. Tese (Ciências e Técnicas Nucleares) - Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Engenharia, Minas Gerais. ANEEL – Agencia Nacional de Energia Elétrica. Atlas de Energia Elétrica - 1ª ed., Brasília, 2002. Disponível em: <http://www2.aneel.gov.br/arquivos/pdf/ livro_atlas.pdf>. Acessado em: abr. 2016. BARDELIN, C. E. A. Os efeitos do Racionamento de Energia Elétrica ocorrido no Brasil em 2001 e 2002 com ênfase no Consumo de Energia Elétrica. 2004. 113 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia) - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo. BRASIL. Câmara dos deputados, Rádio Câmara. Crise hídrica: falta d’água chega ao Sudeste; como tudo começou? - Bloco 1. Brasília, DF, 2015. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/REPORTAGEM-ESPECIAL/481135-CRISE-HIDRICA-FALTA-D%E2%80%99AGUA-CHEGA-AO-SUDESTE-COMO-TUDO-COMECOU---BLOCO-1.html&gt;. Acessado em: out. 2016. BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisa Energética. Ba-lanço Energético Nacional: séries completas (2002-2011). Rio de Janeiro: EPE, 2012. Disponível em: <https://ben.epe.gov.br/BENSeriesCompletas.aspx&gt;. Aces-sado em: out. 2015. BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisa Energética. Ba-lanço Energético Nacional 2014: ano base 2013. Relatório Final. Rio de Janeiro: EPE, 2014. 282p. Disponível em: <https://ben.epe.gov.br/downloads/Relatorio_Final_BEN_ 2014.pdf>. Acessado em: abr. 2016. BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisa Energética. Ba-lanço Energético Nacional 2015: ano base 2014. Relatório Final. Rio de Janeiro: EPE, 2015. 282p. Disponível em: < https://ben.epe.gov.br/downloads/Relatorio_Final_BEN_2015 .pdf>. Acessado em: abr. 2016. BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Resenha Energética Brasileira. Brasília, junho de 2015. Disponível em <http://www.mme.gov.br/documents/1138787/1732840/ Rese-nha+Energ%C3%A9tica+-+Brasil+2015.pdf/4e6b9a34-6b2e-48fa-9ef8-dc70084 70bf2>. Acessado em: abr. 2016. BRASIL, Portal Brasil. Brasília/DF, 2010. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/meio-ambiente/2010/11/matriz-energetica&gt;. Acessado em: abr. 2016. BRASIL, Portal Brasil. Brasília/DF, 2015. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/meio-ambiente/2015/11/energia-renovavel-representa-mais-de-42-da-matriz-energetica-brasileira&gt;. Acessado em: abr. 2016. BRONZATTI, F. L.; IAROZINSKI NETO, A. Matrizes Energéticas no Brasil: ce-nário 2010-2030. Revista Brasileira de Energia, Rio de Janeiro, 2008, n. 1, v. 13. Dis-ponível em: <http://new.sbpe.org.br/wp-content/themes/sbpe/img/artigos_pdf/v13n01/v13 n01a1.pdf>. Acessado em: abr. 2016. CRUZ, J. L. C. A eletricidade no Brasil do Império à República de Hoje. Edição: Sindi-cato dos eletricitários de Furnas e DME- SINDEFURNAS. São Paulo: 1994. EBC, Empresa Brasil de Comunicação. Agência Brasil. Brasília, 2015. Dispo-nível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-03/mesmo-com-chuvas-situacao-de-reservatorios-do-sudeste-e-critica&gt;. Acessado em: nov. 2016. EPE. Plano Nacional de Energia 2030. Brasília, 2007. Disponível em: <http://www.epe.gov.br/PNE/20080512_3.pdf&gt;. Acessado em: abr. 2016. EXAME. Crise econômica vai ficar pior, avalia Mendonça de Barros. 2015. Dis-ponível em: <http://exame.abril.com.br/economia/crise-economica-vai-ficar-pior-avalia-mendonca-de-barros/&gt;. Acessado em: nov. 2016. GOLDEMBERG, J. O estado atual do setor elétrico brasileiro. Revista USP, São Paulo, 2015, p. 37-44, n. 104, jan./fev./mar. 2015. GOMES, J. P. P.; VIEIRA, M. M. F. O campo da energia elétrica no Brasil de 1880 a 2002. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 2009, n. 2, v. 43, mar./abr. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rap/v43n2/v43n2a02.pdf&gt;. Aces-sado em: abr. 2016. GUIMARÃES, F. L. A crise da energia elétrica e o seu custo. Revistausp, São Paulo, v. 104, n. 1, p.83-90, mar. 2015. MARENGO, José A., Mudanças climatológicas e recursos hídricos. Disponível em: http://www.abc.org.br/IMG/pdf/doc-818.pdf. Acesso em ago/2014. MCGINNIS, R. L.; ELIMELECH, M. Global Challenges in Energy and Water Supply: The Promise of Engineered Osmosis. Environmental Science & Tech-nology, Pennsylvania, v. 42, n. 23, p.8625-8629, 2008. MORAIS, L. C. Estudo sobre o panorama da energia elétrica no brasil e ten-dências futuras. 2015. 136 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Elé-trica, Faculdade de Engenharia de Bauru/unesp, Bauru, 2015. Disponível em: <http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/132645/000852309.pdf?sequence=1&gt;. Acesso em: 12 nov. 2016. O GLOBO, Jornal Hoje. Rio de Janeiro, RJ. 2015. Disponível em: < http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2015/01/baixo-nivel-dos-reservatorios-prejudica-parte-das-industrias-do-rj.html&gt;. Acessado em: nov. 2016. O Globo. Entenda a crise no Cantareira: Sistema de represas em SP passa por seca recorde. Governo pede economia e descarta racionamento.. 2014. Disponí-vel em: <http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/07/entenda-crise-no-cantareira.html&gt;. Acesso em: 02 nov. 2016. RODRIGUES, M. F. B. Análise da atratividade econômica da microgeração mi-nigeração distribuída no Brasil pela geração solar fotovoltaica. 2013. 79 p. Mo-nografia (Engenharia de Energia) - Universidade de Brasília, Distrito Federal. Disponível em: <http://bdm.unb.br/bitstream/10483/6940/1/2013_MarianaFonteBoaRodrigues.pdf&gt;. Acessado em: abr. 2016. Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa, Observatório do Clima. Brasil vive extremos de calor em 2015. 2015. Disponível em: <http://www.observatoriodoclima.eco.br/brasil-vive-extremos-de-calor-em-2015/&gt;. Acessado em: nov. 2016. TAVARES, M. A. M. E.; TAVARES, S. R. L. Perspectivas para a participação do Brasil no mercado internacional de pellets. Revista Holos, Rio Grande do Norte, 2015, ISSN 1807-1600. Acessado em: abr. 2016. TOLMASQUIM, M. T.; GUERREIRO, A.; GORINI, R. Visão Prospectiva da Ma-triz Energética Brasileira: Energizando o desenvolvimento sustentável do país. Revista Brasileira de Energia, Rio de Janeiro, 2007, n. 1, v. 13. Disponível em: <http://new.sbpe.org.br/wp-content/themes/sbpe/img/artigos_pdf/v13n01/v13n01a1.pdf&gt;. Acessado em: abr. 2016. TOLMASQUIM, Mauricio. As origens da crise energética brasileira. Ambiente & Sociedade, [s.l.], n. 6-7, p.179-183, jun. 2000. FapUNIFESP (SciELO). URURAU. Há 129 anos, Campos tornava-se a pioneira em luz elétrica na A-mérica. Disponível em: <http://ururau.com.br/cidades19084&gt;. Acesso em: 12 nov. 2016.

Published
2017-10-15
How to Cite
Jalles, jackeline, Silva, J., & Carneiro, C. (2017). Dificuldades brasileiras no setor de Energia elétrica nos anos de 2014 e 2015: Uma perspectiva da população de Guarus em Campos dos Goytacazes RJ. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 5(2), 248-268. https://doi.org/10.25160/v5i2.d11
Section
Dossier