Elite da Liberdade: a contribution to the history of black clubs in Brazil

Main Article Content

Petrônio José Domingues
Ana Cláudia Pereira

Abstract

This article investigates the trajectory of the Grêmio Dramático, Recreativo e Literário Elite da Liberdade (the Liberdade Elite Guild of Drama, Recreation, and Literature), a black club active in São Paulo, Brazil, from 1919 to 1927. The aim is to reconstruct aspects of the club’s history in light of its educational discourse on civility, which was used as a strategy to promote modern virtues in the black milieu. By appropriating the precepts of civility, Elite da Liberdade helped construct a positive black identity, enabled the creation of bonds of solidarity among its members, and made itself a place of resistance and struggle for social inclusion, recognition, and citizens’ rights.

Article Details

How to Cite
Domingues, P., & Pereira, A. C. (2020). Elite da Liberdade: a contribution to the history of black clubs in Brazil. Brasiliana: Journal for Brazilian Studies, 9(1), 396-411. https://doi.org/10.25160/bjbs.v9i1.114909
Section
General Articles

References

ALBERTO, Paulina L. Terms of inclusion: black intellectuals in twentieth-century Brazil. Chapel Hill, N.C.: The University of North Carolina Press, 2011.
ANDREWS, George Reid. “O protesto político negro em São Paulo (1888-1988)”, Estudos Afro-Asiáticos, n. 21, Rio de Janeiro, 1991, p. 27-47.
____. Negros e brancos em São Paulo (1888-1988). Tradução: Magda Lopes. Bauru/SP: Edusc, 1998.
BASTIDE, Roger. “A imprensa negra do Estado de São Paulo”. In: Estudos Afro-brasileiros. São Paulo: Perspectiva, 1973, pp. 129-156.
BRAGA, Amanda. História da beleza negra no Brasil: discursos, corpos e práticas. São Paulo: EdUFSCar, 2015.
BURKE, Peter. Clubes. In: O historiador como colunista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, pp. 199-202.
BUTLER, Kim D. Freedoms given, freedoms won: afro-brazilians in post-abolition São Paulo and Salvador. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press, 1998.
CASOY, Sérgio. Ópera em São Paulo: 1952-2005. São Paulo: EDUSP, 2005.
CÔRTES, Giovana Xavier da Conceição. “‘Leitoras’: Gênero, raça, imagem e discurso em O Menelick (São Paulo, 1915-1916)”. Afro-Ásia, Salvador, UFBA, n. 46, pp. 163-191, 2012.
DOMINGUES, Petrônio. A nova Abolição. São Paulo: Selo Negro, 2008.
____. Os clubes e bailes blacks de São Paulo no pós-abolição: notas de pesquisa. In. SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 25., 2009, Fortaleza. Anais eletrônicos. Disponível em: . Acesso em 21 de julho de 2016.
____. Montezuma: as desventuras de um “homem de cor” na Corte Imperial. In: SOUSA, Antônio Lindvaldo. (Org.). O Pulso de Clio: religiosidade, cultura e identidade. 1ed. Porto Alegre: Redes Editora, 2012, pp.105-162.
ELIAS, Norbert. A sociedade de corte. Lisboa: Editorial Estampa, 1987.
____. O processo civilizador: uma história dos costumes. Tradução de Ruy Jungmann. v. 1. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.
FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. 3 ed. 2 v. São Paulo: Ática, 1978.
FERRARA, Miriam Nicolau. “A imprensa negra paulista (1915/1963)”. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 5, nº 1º, março/agosto 1985, pp. 197-207.
GIACOMINI, Sonia Maria. A alma da festa: família, etnicidade e projetos num clube social da Zona Norte do Rio de Janeiro o Renascença Clube. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2006.
HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.
LEITE, José Correia. ...E disse o velho militante José Correia Leite: depoimentos e artigos. Organizado por Cuti. São Paulo, Secretaria Municipal da Cultura, 1992.
LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In. DEL PRIORE, Mary (org.). História das mulheres no Brasil. 2 ed. São Paulo: Contexto, 1997, pp. 443-481.
LUCINDO, Willian Robson Soares. Negros em festas: cidadania e comemorações das Associações de Homens de Cor na cidade de São Paulo (1902-1931). In. RASCKE, Karla Leandro; PINHEIRO, Lisandra Macedo (org.). Festas da diáspora negra no Brasil: memória, história e cultura. Porto Alegre: Picartes, 2016, pp. 135-160.
PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. E o rio dançou: identidades e tensões nos clubes recreativos. In. CUNHA, Maria Clementina Pereira Cunha. (org.). Carnavais e outras f(r)estas: ensaios de história social da cultura. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, CECULT, 2002, pp. 419-444.
____. “Os Anjos da Meia-Noite: trabalhadores, lazer e direitos no Rio de Janeiro da Primeira República”. Tempo, Niterói, vol.19, n.35, pp. 97-116, jul/dez. 2013.
PINTO, Regina Pahim. O movimento negro em São Paulo: luta e identidade. Ponta Grossa: Editora UEPG; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013.
RAGO, Margareth. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo, 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.
SCHWARCZ, Lilia M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
SILVA, José Carlos Gomes da. Os sub urbanos e a outra face da cidade: negros em São Paulo 1900-1930, cotidiano, lazer e cidadania. 1990. 186 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 1900.
SIQUEIRA, Uassyr. Clubes recreativos: organização para o lazer. In: AZEVEDO, Elciene; et al. (Org.). Trabalhadores na cidade: cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em São Paulo. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, 2009, pp. 271-312.
SPITZER, Leo. Vidas de entremeio: assimilação e marginalização na Áustria, no Brasil e na África Acidental, 1780-1945. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001.