O narrador morto/vivo: figurações da morte em Memórias póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis

Main Article Content

Petra Schumm

Abstract

Partindo da obeservacao enigmática do narrador ou autor ao princípio das Memórias póstumas de Br´as Cubas de Machado de Assis que "nao é propiamente um autor defunto, mas um defunto autor" vou examinar nesta contribuicao os seguintes aspectos: 1. Num primeiro passo, trata-se de perguntar como se tematizam, em Brás Cubas, a morte, os rituais de enterro e do luto, relacionando-os com as observacoes da crítica social sobre a cultura da morte no século XIX. 2. Num segundo passo, pretende-se analizar as consequencias que tem esta conceituacao da morte - assim como a condicao paradoxal de um narrador ou autor morto-vivo - para a organizacao narrativa do relato das Memórias. 3. E, finalmente, em um sentido mais amplo: que funcao cumpre a narrativa de memórias de Machado de Assis no contexto social do Brasil no século XIX? Seguindo essas perguntas discutirei também as relacoes que tem a escrita de memórias de Machado de Assis com a género do fantástico e os debates atualmente geralizados sobre 'specters', 'cultural haunting' e a nocao de 'autoria'.

Article Details

How to Cite
Schumm, P. (2019). O narrador morto/vivo: figurações da morte em Memórias póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 7(1), 48-63. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/110886
Section
Dossier

References

Roberto Schwartz. Valemtím Facioli, Walter Benjamin, Michel Foucault, Jacques Derrida, Joao Adolfo Hansen entre outos.