O lugar social do narrador morto: enunciação e interlocução nas Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis

Main Article Content

Irenísia Torres de Oliveira

Abstract

Este trabalho propõe uma análise do defunto autor das Memórias Póstumas de Brás Cubas, na perspectiva da crítica de Roberto Schwarz e das reflexões sobre a linguagem do linguista russo Mikhail Bakhtin, para trabalhar a enunciação e a interlocução estabelecidas por esse narrador como “uma relação social completa”, no âmbito do romance e fora dele. Analisa as atitudes propaladas pelo defunto autor, como o desdém do público e a franqueza, para desvendar o significado delas no universo social em que se situa sua fala. Com base na teoria da enunciação de Bakhtin/Volochinov, considera a possibilidade da linguagem de construir dois horizontes no mesmo romance: um inteiramente circunscrito ao universo cultural e aos valores do narrador e outro que o ultrapassa e faz a crítica social.

Article Details

How to Cite
de Oliveira, I. (2019). O lugar social do narrador morto: enunciação e interlocução nas Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 7(1), 64-80. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/109645
Section
Dossier

References

ASSIS, Machado. Memórias Póstumas de Brás Cubas. In: Machado de Assis: Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1959, p. 510-639.
AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 2007.
BAKHTIN, Mikhail (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. 8. ed. São Paulo: Editora Hucitec, 1997.
CANDIDO, Antonio. O discurso e a cidade. 2. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1998.
CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
SCHWARZ, Roberto. Duas meninas. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
________. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. 3. ed. São Paulo: Duas Cidades, 1998.
________. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.
WATT, Ian. A ascensão do romance. Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.