Vanitas: a condenação da vaidade como elemento constituinte da representação da morte na lírica de Alphonsus de Guimaraens

Main Article Content

Grazzielle Forcato Martins

Abstract

Este trabalho objetiva tecer considerações acerca da representação da vaidade na poesia de Alphonsus de Guimaraens, sobretudo no que tange a relação desta com a tradição do Memento mori, ou “lembra-te que morrerás”, que orientou as artes plásticas da baixa idade média e barroco tardio. Como motivo orientado pela máxima da permanência da morte evidenciada pelo memento mori, as pinturas denominadas vanitas ilustram a vaidade dos homens em sua preocupação exacerbada com as conquistas terrenas. A vanitas, alusão direta ao capítulo bíblico do Eclesiastes, é a variação do gênero artístico de natureza morta que obteve grande repercussão nos séculos XVI e XVII, e figura elementos centrais da vida terrena aliados a caveiras, compondo a visão crítica da vaidade dos homens diante da inexorabilidade da morte. Estes elementos estão associados à passagem do tempo pela presença de elementos orgânicos, como a deterioração de frutos, e de objetos simbólicos representativos das conquistas do homem, como o amarelamento de livros, o vidro quebrado, ampulhetas, mapas e armas. Embora a vanitas figure notadamente na baixa Idade Média, manifestações similares estendem-se até a modernidade, seja nas artes plásticas ou na literatura, e estão presentes na lírica de Alphonsus de Guimaraens. O poeta simbolista, em cuja lírica a morte é elemento frequente, imprime sobre os motivos tradicionais do memento mori olhar moderno, por meio do trabalho com o encadeamento de imagens e tendência à expressão sugestiva, o que confere à poesia alphonsina grande apelo plástico, bem como possibilita a convergência com outros motivos integrantes do memento mori, como é possível observar em poemas como “Ossa Mea”, que retratam a vaidade aliada à figura feminina fadada à perda da beleza e figurativa da própria morte, associando a temática da vaidade ao topos da morte e a donzela, variação do motivo da dança macabra, que similarmente integra o memento mori. Assim, por meio de análise, buscaremos expor a construção da vanitas na lírica de Alphonsus de Guimaraens, evidenciando seu caráter moderno e interpretação dos motivos tradicionais da representação da morte.

Article Details

How to Cite
Martins, G. (2019). Vanitas: a condenação da vaidade como elemento constituinte da representação da morte na lírica de Alphonsus de Guimaraens. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 7(1), 163-173. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/109617
Section
General Articles

References

BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Editora Paulus, 2013.
BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 2013.
GOMES, A. C. “O conceito de símbolo na estética simbolista”. In: Revista Lumen Et Virtus, vol. 6, n.12, Março 2015, p.79-114.
RICIERI, F. F. W. Ciclos do macabro na lírica de Alphonsus de Guimaraens. Revista Diadorim / Revista de Estudos Linguísticos e Literários do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Volume 11, Julho 2012, p.39-55. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/diadorim/article/view/3953/2931. Acesso em: 28 de jul.2018.
VECA, A. Vanitas: the symbolism of time. Bergamo: Galleria Lorenzelli, 1981.
WILSON, E. O Castelo de Axel. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
WITECK, A. P. G. A vanitas em obras de arte contemporânea: um estudo iconográfico. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Universidade Federal de Santa Maria. Rio Grande do Sul: Santa Maria, 126 p, 2012.