Maria Monforte: a morte n’Os Maias televisivo

Main Article Content

Bianca do Rocio Vogler

Abstract

A análise a ser realizada neste artigo se pauta em uma representação de morte observável na construção da personagem Maria Monforte na minissérie Os Maias, com roteiro de Maria Adelaide Amaral e direção de Luiz Fernando Carvalho, adaptada a partir do romance de mesmo nome do escritor português Eça de Queirós. Nessa obra televisiva, as modificações realizadas pela roteirista no processo de composição de tal personagem, relativamente ao que se vê no texto literário eciano, apresentam uma possibilidade diversa de constituição dos seus sentidos, dando a ela uma presença maior na minissérie em contraposição ao livro. Nesse sentido, um dos fatores mais relevantes dessa composição está na representação de morte com que a personagem tem seu retorno ao fim da narrativa, o que é evidenciado pela própria caracterização física da personagem, sua brancura, pois está gravemente doente, tuberculosa, e suas roupas esfarrapadas e todas pretas, além da música que narra as suas chegada e aparições, em um tom tétrico. Pode-se ponderar que tal representação com que Maria Monforte retorna na minissérie aponta para uma personificação do Romantismo, e, consequentemente, do destino que é esse Romantismo n’Os Maias. E essa marcação acaba por estabelecer a influência da personagem para a configuração dos acontecimentos trágicos que levam à uma “extinção” do nome Maia. Dessa forma, procuramos compreender essas modificações realizadas na transposição do texto eciano para a televisão e a importância dessa representação de morte com que Maria Monforte é trazida de volta à trama pela roteirista da minissérie.

Article Details

How to Cite
Vogler, B. do. (2019). Maria Monforte: a morte n’Os Maias televisivo. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 7(1), 116-131. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/106513
Section
General Articles

References

Balogh, Anna Maria. Conjunções, disjunções, transmutações: da Literatura ao Cinema e à TV. 2ª ed. São Paulo: Annablume, 2005.

Beauvoir, Simone de. O segundo sexo I: Os factos e os mitos. Translated by Sérgio Milliet. Vol. I. Lisboa: Livraria Bertrand, 1975.

__________. O segundo sexo II: A experiência vivida. Translated by Sérgio Milliet. Vol. II. Lisboa: Livraria Bertrand, 1976.

Figueiredo, Monica. Por entre desencontros, enganos e ruínas: a vitória da ficção. In: Queirós, Eça de. Os Maias: episódios da vida romântica. Edição comentada e ilustrada. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

Flory, Suely F. V., and Moreira, Lúcia C. M. de Miranda. Uma leitura do trágico
na minissérie Os Maias: a funcionalidade dos objetos na trama ficcional. São Paulo: Arte & Ciência, 2006.

Hutcheon, Linda. Uma teoria da adaptação. Translated by André Cechinel. Florianópolis, SC: UFSC, 2011.

Lisboa, Maria Manuel. Teu amor fez de mim um lago triste: ensaios sobre “Os Maias”. Porto: Campo das Letras, 2000.

Machado, Arlindo. A televisão levada a sério. São Paulo: SENAC, 2000.

Os Maias. Adaptação de Maria Adelaide Amaral, João Emanuel Carneiro e Vincent Villari. Direção de Emílio di Biasi e Del Rangel. Direção geral de Luiz Fernando Carvalho. Rede Globo de Televisão, 2001. 4 DVDs (940 minutos), color.

Pellegrini, Tânia. Narrativa verbal e narrativa visual: possíveis aproximações. In: Pellegrini, Tânia. et al. Literatura, Cinema e Televisão. São Paulo: Senac São Paulo, Instituto Itaú Cultural, 2003. 15-34.

Reis, Carlos. Eça de Queirós. Lisboa: Edições 70, 2009.

Stam, Robert. A literatura através do cinema: realismo, magia e a arte da adaptação. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

________¬¬¬¬___. Teoria e prática da adaptação: da fidelidade à intertextualidade. Ilha do Desterro, Florianópolis, UFSC, 2006, v. 51, 283-299.

Vicente, Kyldes Batista. As personagens do romance Os Maias na minissérie da Globo. In: Reis, Carlos, and Henriques, Marisa das Neves (Coords.). Revista Estudos Literários: Personagem e figuração. n. 4. Coimbra: Centro de Literatura Portuguesa (CLP)/Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC), 2014. 417-440.