Racism and Black Activism in Brazil: a Literary and Historical Review

Main Article Content

Paulo César Ramos
https://orcid.org/0000-0001-9283-3592
Ana Maura Tomesani
https://orcid.org/0000-0001-7358-7760

Abstract

This article intends to present a review on the history and literature of racism and black activism in Brazil. It is divided into two parts: the first is focused on the way concepts such as racism and anti-racism were explored in Brazilian academia, the emergence of the racial democracy thesis and its critics, and academic militance. The second follows the development of black activism in Brazil since the proclamation of the Republic (1889) until today, including two periods of authoritarian government. Where literature in the field suggests there were three phases of black activism in Brazil, we propose a fourth phase for the current period (2000’s onwards). The guiding idea of this division is that academic and street activism were developed side by side – findings in academia were reflected in the flags defended by activists, and the latter became public policy.

Article Details

How to Cite
Ramos, P., & Tomesani, A. (2019). Racism and Black Activism in Brazil: a Literary and Historical Review. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 8(1-2), 3-31. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/106209
Section
Dossier

References

Araújo, E. M.; Pereira, L. A.; Carvalho, M. J. S.; Nery, F. S.; Souza, I. M. Preenchimento da variável raça/cor de grupos selecionados de causas de morte no sistema de informações sobre mortalidade.
Boletim do Instituto da saúde, v. 15, p. 42-50, 2014

Araújo, Edna Maria de et al. A utilização da variável raça/cor em Saúde Pública: possibilidades e limites. Interface (Botucatu), v. 13, n. 31, p. 383-94, 2009.

Da Silva, Carlos Benedito Rodrigues. Trajetórias do movimento negro e ação afirmativa no Brasil. CADERNOS PENESB: Discussões Sobre o Negro na Contemporaneidade e Suas Demandas, p. 117, 2010.

Do Valle Silva, Nelson. O preço da cor: diferenciais raciais na distribuição de renda no Brasil. Pesquisa e planejamento econômico, v. 10, n. 1, 1978.

Do Valle Silva, Nelson. Black-white income differentials: Brazil, 1960. 1978. Tese de Doutorado. University of Michigan.

Domingues, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Revista Tempo, v. 12, n. 23, p. 100-122, 2007.

ENJUNE – Encontro Nacional de Juventude Negra. Relatório Final. Propostas aprovadas na Plenária final do Encontro Nacional de Juventude Negra. 2007.

Fernandes, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Ática, 1978. A integração do negro na sociedade de classes, v. 3, 1962.

Fernandes, Florestan. O negro no mundo dos brancos. Global Editora e Distribuidora Ltda 2015.

Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. Acesso de negros às universidades públicas. Cadernos de Pesquisa, n. 118, p. 247-268, 2003.

Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. Cidadania e retóricas negras de inclusão social. Lua Nova, v. 85, p. 13-40, 2012.

Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. Preconceito de marca. As relações raciais em Itapetininga. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, n. 41, p. 169-171, 1999.

Guimarães, Antonio Sergio Alfredo. Raça e os estudos de relações raciais no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, v. 54, p. 147-156, 1999

Guimarães, Antônio Sérgio Alfredo. Resistência e revolta nos anos 1960: Abdias do Nascimento. Revista USP, n. 68, p. 156-167, 2006.

Hasenbalg, Carlos A.; Do Valle Silva, Nelson. Raça e oportunidades educacionais no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 73, p. 5-12, 2013.

Hasenbalg, Carlos Alfredo. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

Hasenbalg, Carlos Alfredo. Race relations in post-abolition Brazil: the smooth preservation of racial inequalities. 1978. Tese de Doutorado. University of California, Berkeley.

Hasenbalg, Carlos Alfredo; Do Valle Silva, Nelson. Estrutura social, mobilidade e raça. Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 1988.

Henriques, Ricardo. Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições de vida na década de 90. Rio de Janeiro: IPEA, 2001.

Lima, M. Desigualdades raciais e politicas publicas. As Ações Afirmativas no governo Lula. Novos Estudos, v. 87, 2010.

Lopes, F. Para além da barreira dos números: desigualdades raciais e saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 21(5):1595-1601, set-out, 2005.

Macedo, Márcio. (2006), Abdias do Nascimento: a trajetória de um negro revoltado: 1914-1968. São Paulo. Dissertação de mestrado em Sociologia. FFLCH-USP.

Mães de Maio. Do luto à luta: mães de maio. São Paulo. Impressão: Giramundo artes gráficas, 2011.

Maio, Marcos Chor. O Projeto Unesco e a agenda das ciências sociais no Brasil dos anos 40 e 50. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, n. 41, p. 141-158, 1999

Maio, Marcos Chor. Tempo controverso: Gilberto Freyre e o projeto UNESCO. Tempo social, v. 11, n. 1, p. 111-136, 1999.

Munanga, Kabengele. Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas. Sociedade e cultura, v. 4, n. 2, 2007.

Nascimento, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Paz e Terra, 1978.

Praxedes, Rosângela Rosa. Projeto UNESCO: quatro respostas para a questão racial no Brasil. Tese de doutorado defendida no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da PUC-SP. 2012. 220 p.

Ramos, Paulo César. “Contrariando a estatística”: a tematização dos homicídios pelos jovens negros no Brasil. 2014. 186 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Departamento de Sociologia, Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.

Rios, Flavia Mateus. Institucionalização do movimento negro no Brasil contemporâneo. 2008. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, University of São Paulo, São Paulo, 2009.

Rios, Flavia. o protesto negro no brasil Contemporâneo. Lua Nova, v. 85, p. 41-79, 2012.

Seppir (Secretaria de Promoção de Políticas de Igualdade Racial). Relatório de Atividades da Secretaria de Promoção de Políticas de Igualdade Racial. Brasília, dez. 2010.

Shwarcz, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituiçöes e questäo racial no Brasil 1870-1930. Companhia das Letras, 1993.

Silverio, V. R. Ação afirmativa e o combate ao racismo institucional no Brasil. Cadernos de Pesquisa, n. 117, novembro/ 2002, p. 219-246.

Silvério, Valter Roberto. O papel das ações afirmativas em contextos racializados: algumas anotações sobre o debate brasileiro. Educação e ações afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP, 2003

Soares Filho, Adauto Martins. O recorte étnico-racial nos Sistemas de Informações em Saúde do Brasil: potencialidades para a tomada de decisão. In: Luíz Eduardo Batista; Jurema Werneck; Fernanda Lopes. (Org.). Saúde da População Negra. 2ed.Brasília: ABPN, 2012, v. 3, p. 34-61.

Theodoro, Mário et al. As políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil 120 anos após a abolição. Brasília: Ipea, 2008.

Werneck, Jurema. A vulnerabilidade das mulheres negras. Jornal da Rede Saúde, v. 23, p. 31-33, 2001.

Werneck, Jurema. Iniqüidades Raciais em Saúde e Políticas de Enfrentamento: As experiências de Canadá, Estados Unidos, África do Sul e Reino Unido (artigo de revisão bibliográfica). Saúde da População Negra no Brasil: contribuições para a promoção da eqüidade, 2005.

Werneck, Jurema; Lopes, F. Mulheres Negras: um olhar sobre as lutas sociais e as políticas públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Criola, 2009.

Werneck, Jurema; Mendonça, Maisa; White, Evelyn C. O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. Pallas, 2000.