Chess game for affirmative action at UFRJ

  • Marcelo Paixao The University of Texas at Austin
  • Irene Rossetto The University of Texas at Austin
Keywords: Affirmative action, public policy, higher education

Abstract

In this paper, we analyze the process that lead the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ) to adopt affirmative action admission in the early 2010s. For a long time UFRJ was nationally considered the headquarters of anti-affirmative action. So, why did that University finally take that decision? Our analysis revealed that the debate on affirmative action in that university was entangled in a wider discussion on higher education reform. This finding can help us to understand fundamental aspects of the true spirit of the quotas approved in that university. In the mid-2000s, UFRJ officers underestimated the necessity to be prepared for the symbolic, cultural and political changes that the increasing diversity inside the student body would bring. How deeply the lack of a substantial reflection on race, ethnicity, gender and class may expose UFRJ community to a chronic incapacity to address those contradictions when they become evident?

References

Alves, Helio de Mattos. 2012. “Aloísio Teixeira: um educador em defesa das causas sociais e democráticas”. Revista Princípios, no. 121, 89-95.

Bailey, Stanley R., F Fabrício Fialho, Michelle Peria. 2015. “Support for race-targeted affirmative action in Brazil”. Ethnicities. https://doi-org.ezproxy.lib.utexas.edu/10.1177/1468796814567787.

Belchior, Ernandes Barboza. 2016. “Não deixando a cor passar em branco: o processo de implementação de cotas para estudantes negros na Universidade de Brasília.” Master thesis, University of Brasília.

Benedito, Vera Lúcia. 2007. “Uma universidade plural, país de cidadãos: ações afirmativas desafiando paradigmas na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.” In Acesso e permanência da população negra no ensino superior, edited by Maria Auxiliadora Lopes and Maria Lúcia de Santana Braga, 113-141. Brasília: UNESCO / BID/ Ministério da Educação.

Beraldo, Antonio Fernando and Eduardo Magrone. 2013. “Políticas de cotas na Universidade Federal de Juiz de Fora: avaliação 2006-2011.” In O impacto das cotas nas universidades brasileiras (2004-2012), edited by Jocélio Teles dos Santos, 105-134. Salvador: CEAO.

Carvalho, José Jorge. 2005. Inclusão étnica e racial no Brasil: a questão das cotas no ensino superior. São Paulo. Attar Editorial.

Cavalleiro, Eliane dos Santos. 2000. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceitos e discriminação na educação infantile. São Paulo: Ed. Contexto.

Comissão de Vestibular do Conselho de Ensino de Graduação da UFRJ. n.d. Powerpoint presentation named ‘Acesso aos cursos de graduação da UFRJ: em discussão’. Rio de Janeiro: UFRJ.

Fraser, Nancy and Alex Honneth. 2003. Redistribution or recognition: a political philosophical exchange. London /New York: Verso.

Fry, Peter, Yvonne Maggie, Marcos Chor Maio, et al., ed. 2007. Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Gaspar, Lúcia and Virgínia Barbosa. 2013. Ações afirmativas e políticas de cotas no Brasil: uma bibliografia (1999-2012). Recife: Fundação Joaquim Nabuco / Ministério da Educação.

Guimarães, Antonio Sérgio A. 2013. “Brasil, 1996-2012: anotações para uma sociologia política da adoção de cotas no ensino superior público”. Paper presented at the XXXI International Congress of the Latin American Studies Association, Washington, DC, May 30 – June 1. http://www.fflch.usp.br/sociologia/asag/Notas%20para%20uma%20sociologia%20politica%20da%20adocao%20de%20cotas%20no%20ensino%20superior.pdf.

Hasenbalg, Carlos and Nelson do Valle Silva. 1990. “Raça e oportunidades educacionais no Brasil.” Cadernos de Pesquisa, no 73, 5-12.

Henriques, Ricardo, ed. 2000. Desigualdade e Pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA.

Heringer, Rosana. 2001. “Mapeamento de ações e discursos de combate às desigualdades raciais no Brasil.” Estudos Afro-Asiáticos 23 (2): 1–43.

Heringer, Rosana and Renato Ferreira. 2009. “Análise das principais políticas de inclusão de estudantes negros no ensino superior no Brasil no período 2001-2008”. In Caminhos convergentes: Estado e sociedade na superação das desigualdades raciais, edited by Marilene Paula and Rosana Heringer, 137-194. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll / Action Aid.

Hordge-Freeman, Elizabeth. 2015. The Color of Love: Racial Features, Stigma, and Socialization in Black Brazilian Families. Austin, TX: University of Texas Press.

Htun, Mala. 2004. “From ‘Racial Democracy’ to Affirmative Action: Changing State Policy on Race in Brazil.” Latin American Research Review 39 (1): 60-89.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016. Estatísticas do Cadastro Central de Empresas. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2010. Políticas sociais: acompanhamento e análise no 19. Brasília: IPEA.

———. 2015. Políticas sociais: acompanhamento e análise no 23. Brasília: IPEA.

Kent, Michael, and Peter Wade. 2015. “Genetics against race: Science, politics and affirmative action in Brazil.” Social Studies of Science 45 (6): 816-838.

Lopes, Maria Auxiliadora and Maria Lúcia de Santana Braga, ed. 2007. Acesso e permanência da população negra no ensino superior. Brasília: UNESCO / BID/ Ministério da Educação.

Machado, Elielma Ayres. 2013. Ação afirmativa, reserva de vagas e cotas na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2002-2012). Rio de Janeiro: FLACSO.

Machado, Elielma Ayres and Fernando Pinheiro da Silva. 2010. “Ações afirmativas nas universidades públicas: o que dizem os editais e manuais”. In Entre fatos e dados: ação afirmativa nas universidades públicas brasileiras, edited by Angela Randolpho Paiva, 19-50. Rio de Janeiro: PUC-RJ and Pallas Ed.

Malta, Maria Mello de. 2012. “Lutador imprescindível.” Desafios do desenvolvimento 9 (73). http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=2794:catid=28&Itemid=23.

Marteleto, Letícia J., and Molly Dondero. 2016. “Racial inequality in education in Brazil: A twins fixed-effects approach.” Demography 53, n. 4 (August): 1185-1205.

Moraes, André Guerra Esteves and Walter Belluzzo. 2014. “O diferencial de desempenho escolar entre escolas públicas e privadas no Brasil.” Nova Economia 24, n. 2 (Maio-Agosto): 409-430.

Paiva, Angela Randolpho, ed. 2010. Entre fatos e dados: ação afirmativa nas universidades públicas brasileiras. Rio de Janeiro: PUC-RJ and Pallas Ed.

Paixão, Marcelo. 2009. The Paradox of the “Good” Student: Race and the Brazilian Education System. Washington, DC: PREAL.

Paixão, Marcelo, and Luiz M. Carvano, ed. 2008. Relatório anual das desigualdades raciais no Brasil; 2007-2008. Rio de Janeiro: Garamond.

Paixão, Marcelo, Irene Rossetto, Fabiana Montovanele, and Luiz M. Carvano, ed. 2010. Relatório Anual Das Desigualdades Raciais No Brasil; 2009-2010. Rio de Janeiro: Garamond.

Santos, Jocélio Teles dos, ed. 2012. Cotas nas universidades: análises dos processos de decisão. Salvador: CEAO.

———, ed. 2013. O impacto das cotas nas universidades brasileiras (2004-2012). Salvador: CEAO

Santos, Renato Emerson and Fátima Lobato, ed. 2003. Ações afirmativas: políticas públicas contra as desigualdades raciais. Rio de Janeiro: DP&A.

Schwartzman, Luisa Farah, and Graziela Moraes Silva. 2012. “Unexpected Narratives from Multicultural Policies: Translations of Affirmative Action in Brazil.” Latin American and Caribbean Ethnic Studies 7(1): 31-48.

Schwartzman, Luisa Farah, and Angela Randolpho Paiva. 2016. “Not just racial quotas: Affirmative action in Brazilian higher education 10 years later.” British Journal of Sociology of Education 37 (4): 548-566.

Siqueira, Carlos Henrique Romão de. 2004. “O processo de implementação das ações afirmativas na Universidade de Brasília(1999-2004).” O público e o privado, no. 3 (Jan-Jun): 165-188.

Telles, Edward E. 2004. Race in Another America: The Significance of Skin Color in Brazil. Princeton: Princeton University Press.

Viáfara López, Carlos Augusto, and Nini Johanna Serna Alvarado. 2015. “Desigualdad de oportunidades educativas en la población de 15 a 29 años en Brasil y Colombia según autoclasificación étnico-racial.” Sociedad y Economia 29 (June): 151-174.

Published
2018-10-13
How to Cite
Paixao, M., & Rossetto, I. (2018). Chess game for affirmative action at UFRJ. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 6(2), 83-104. https://doi.org/10.25160/v6.i2/d4