“Looking for more Brazilian solutions”: Rhetorical Strategies against Ethnic Quotas in Brazilian Higher Education

  • Georg Wink University of Copenhagen
Keywords: Affirmative action policies, socio-ethnic quota, higher education, Brazilian identity, critical discourse analysis, rhetoric

Abstract

Since the 1990s, Brazil has experienced a growing public debate about policies of ethnic affirmative action. The arguments invoked by the opponents of affirmative action quotas, expressed in scientific publications, the mass media and even manifestos, have been the subject of study in several research projects. In their analyses, these scholars have concluded that the the anti-quota arguments suffered from logical inconsistency, theoretical and methodological flaws or simple lack of empirical evidence. However, anti-quota rhetoric appears to persist seemingly unaffected by academic counter-arguments, if not in the academic debate, at least in public opinion. This paper argues that the persuasive power of anti-quota arguments derives from the strategic use of specific rhetorical strategies, based on time-proven classical speech imagery that foreground evidence and logic even where speculation and heuristics are the actual foundation. Using methods of Critical Discourse Analysis I will analyze a representative corpus of prominent public discourses against ethnic affirmative action quotas in order to demonstrate how rhetorical strategies are deployed in these texts, showing how they broadly mirror the proposition of a “Rhetoric of Reaction” (Hirschman 1991). These rhetorics, I argue, draw heavily on the myth of “racial democracy” combined with a long-standing national master-narrative of Brazilian exceptionalism, the combination of which masks racial animosity and defers policy action to support ethnic minorities.

Author Biography

Georg Wink, University of Copenhagen
Associate Professor of Portuguese and Brazilian Studies
Department of English, Germanic and Romance Studies - ENGEROM

References

Bailey, Stanley R. 2009. Legacies of Race. Identities, Attitudes, and Politics in Brazil. Stanford: Stanford UP.

Bailey, R. Stanley; Peria, Michelle. 2010. Racial Quotas and the Culture War in Brazilian Academia. Sociology Compass 4 (8): 592–604.

Bhabha, Homi K. 1990. DissemiNation. In: Bhabha, Homi K. Nation and Narration. London: Routledge, 291–322.

Brandão, André Augusto (ed.). 2007. Cotas raciais no Brasil: a primeira avaliação. Rio de Janeiro: DP&A.

Brasil – Contituição. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal.

Brasil – Presidência da República. 2010. Lei n. 12.288, em 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto de Igualdade Racial. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 138, 21 Jul 2010, Seção 1, 1–4.

Brasil – Presidência da República. 2012. Lei n. 12.711, em 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 169, 30 Aug 2012. Seção1, 1–2.

Campos, Luiz Augusto. 2014. A identificação de enquadramentos através da análise de correspondências: um modelo analítico aplicado à controvérsia das ações afirmativas raciais na imprensa. Opinião Pública 20 (3): 377–406.

Campos, Luiz Augusto; Feres Jr., João; Daflon, Verônica Toste. 2013. Administrando o debate público: O Globo e a controvérsia em torno das cotas raciais. Revista Brasileira de Ciência Política 11: 7–31.

Campos, Luiz Augusto; Feres Jr., João. 2016. “Globo, a gente se vê por aqui?” Diversidade racial nas telenovelas das últimas três décadas (1985 – 2014). Plural – Revista de Ciências Sociais 23 (1): 36–52.

Cardoso, Claudete Batista. 2008. Efeitos da política de cotas na Universidade de Brasilia: Uma análise do rendimento e da evasão. [PhD Thesis]. Brasília: UnB.

Cardoso, Fernando Henrique. 1996. Pronunciamento do Presidente da República na abertura do Seminário Multiculturalismo e Racismo. In: Souza, Jessé (ed.). Multiculturalismo e racismo: o papel da ação afirmativa nos Estados Democráticos Contemporâneos. Brasília: Ministério da Justiça, 13–17.

Carvalho, José Murilo de. 1998. O motive edênico no imaginário social brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais 13 (38): 63–79.

Cento e treze cidadãos anti-racistas contra as leis raciais. 2008. Manifesto presented on 30th of April 2008 to the Brazilian Federal Supreme Court. Online: <http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=195〈=en-us>. Access 16 Aug 2017.

Chauí, Marilena. 2000. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Perseu Abramo.

Cicalo, André. 2012. Urban Encounters: Affirmative Action and Black Identities in Brazil. New York: Palgrave Macmillan

Costa, Sérgio. 2001. A mestiçagem e seus contrários: etnicidade e nacionalidade no Brasil contemporâneo. Tempo Social 13 (1): 143–158.

Costa, Sérgio. 2015a. Entangled Inequalities, State, and Social Policies in Contemporary Brazil [Working Paper 88]. desiguALdades.net. Online: <http://www.desigualdades.net/Working_Papers>. Access 16 Aug 2017.

Costa, Sérgio. 2015b. Protection without Redistribution? Conceptual Limitations of Policies Meant to Reduce Inequalities Concerning Race and Gender in Brazil. In: Fritz, Barbara; Lavinas, Lena (eds). A moment of equality for Latin America? Challenges for Redistribution. Farnhamn: Ashgate, 235–252.

Cruz, Levy. 2002. Democracia racial, uma hipótese. Trabalhos para discussão 128 [Fundação Joaquim Nabuco]. Online: <http://www.fundaj.gov.br/tpt/ 128.html>. Access 16 Aug 2017.

Daflon, Verônica Toste. 2014. Tão longe, tão perto: pretos e pardos e o enigma racial Brasileiro [PhD Thesis]. Rio de Janeiro: UERJ.

Daflon, Verônica Toste; Feres Jr., João; Campos, Luiz Augusto. 2013. Race-based affirmative actions in Brazilian public higher education: an analytical overview. Cadernos de Pesquisa 43 (148): 302–327.

Eurístenes, Poema; Feres Júnior, João; Campos, Luiz Augusto. 2016. Evolução da Lei nº 12.711 nas universidades federais (2015). Levantamento das políticas de ação afirmativa GEMAA [Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa]. Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ Instituto de Estudos Sociais e Políticos – IESP. Online: <http://gemaa.iesp.uerj.br/wp-content/uploads/2016/12/Lev2016.pdf>. Access 16 Aug 2017.

Feres Jr., João. 2010. Aprendendo com o debate público sobre ação afirmativa, ou como argumentos ruins podem tornar-se bons tópicos de pesquisa. In: Paiva, Angela Randolpho (ed.). Entre dados e fatos: ação afirmativa nas universidades públicas brasileiras. Rio de Janeiro: PUC, Pallas, 157–181.

Feres Jr., João; Campos, Luiz Augusto. 2013. O “Discurso Freyreano” sobre as cotas raciais: origem, difusão e decadência. In: Paiva, Angela Randolpho (ed.). Ação afirmativa em questão: Brasil, Estados Unidos, África do Sul, França. Rio de Janeiro: Pallas, 116–148.

Feres Jr., João; Daflon, Verônica Toste. 2009. Ação afirmativa na Revista Veja: informação ou militância? Encontro Anual ANPOCS 33, GT 33, 26–30 Oct 2009. Online: <http://www.anpocs.com/index.php/papers-33-encontro/gt-28/gt33-9/ 2134-joaoferesjr-acao/file>. Access 16 Aug 2017.

Feres Jr., João; Daflon, Verônica Toste. 2014. Políticas da Igualdade Racial no Ensino Superior. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense 5: 31–43.

Feres Jr., João; Daflon, Verônica Toste. 2015. A nata e as cotas raciais: genealogia de um argumento público. Opinião Pública 21(2): 238–267.

Feres Jr., João; Zoninsein, Jonas (eds.) 2006. Ação afirmativa e universidade: experiências nacionais comparadas. Brasília: UnB.

Feres Jr., João; Zoninsein, Jonas. 2008. Ação Afirmativa no Ensino Superior Brasileiro. Belo Horizonte, Rio de Janeiro: Editora UFMG, IUPERJ.

Feres Jr., João; Campos, Luiz Augusto; Daflon, Veronica Toste. 2011. Fora de quadro: a ação afirmativa nas páginas d'O Globo. Contemporânea: Revista de Sociologia da UFSCar 2: 61–83.

Feres Jr., João; Daflon, Verônica Toste; Campos, Luiz Augusto. 2010. Cotas no STF: Os argumentos como eles são. Insight Inteligência 49: 124–136.

Fico, Carlos. 1997. Reinventando o otimismo no Brasil. Rio de Janeiro: FGV.

Foucault, Michel. 1969. L’Archéologie du savoir. Paris: Gallimard.

Foucault, Michel. 1975. Surveiller et punir. Naissance de la prison. Paris: Gallimard.

Foucault, Michel. 2001. La fonction politique de l'intellectuel. In: Defert, Daniel; Ewald, François (eds.). Dits et écrits II, 1976–1988. Paris: Gallimard, 109–114.

Francis, Andrew M.; Tannuri-Pianto, Maria. 2012. Using Brazil’s Racial Continuum to Examine the Short-term Effects of Affirmative Action in Higher Education. The Journal of Human Resource 47(3): 754–784.

Freitas, José Itamar de. 1969. Brasil ano 2000: O futuro sem fantasia. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército.

Fry, Peter; Maggie, Yvonne; Maio, Marcos Chor; Monteiro, Simone; Santos, Ricardo Ventura (eds.). 2007. Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Goss, Karine Pereira. 2009. Retóricas em disputa: o debate intellectual sobre as políticas de ação afirmativa para estudantes negros no Brasil. Ciências Sociais Unisinos 45 (2): 114–124.

Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. 1997. A desigualdade que anula a desigualdade. Notas sobre a ação afirmativa no Brasil. In: Souza, Jessé (ed.). Multiculturalismo e racismo: uma comparação Brasil-Estados Unidos. Brasília: Paralelo 15, 233–242.

Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. 1999. Measures to Combat Discrimination and Racial Inequality in Brazil. In: Reichmann, Rebecca (ed.). Race in Contemporary Brazil: From Indifference to Inequality. Pennsylvania: State University Press, 139–153.

Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. 2001. Democracia racial: o ideal, o pacto e o mito. Novos Estudos CEBRAP 61: 147–162.

Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. 2005. Entre o medo de fraudes e o fantasma das raças. Horizontes Antropológicos 11 (23): 215–217.

HelloResearch. 2016. Cotas sociais em universidades têm 54% de aprovação, diz pesquisa. g1.globo.com. Online: <http://g1.globo.com/educacao/noticia/cotas-sociais-em-universidades-tem-54-de-aprovacao-diz-pesquisa.ghtml>. Access 16 Aug 2017.

Heringer, Rosana; Ferreira, Renato. 2009. Análise das principais políticas de inclusão de estudantes negros no ensino superior no Brasil no período 2001–2008. In: Paula, Marilene de; Heringer, Rosana (eds.). Caminhos convergentes: estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Heinrich Böll Stiftung, 137–196.

Hirschman, Albert O. 1991. The rhetoric of reaction: perversity, futility, jeopardy. Cambridge & London: Harvard UP.

Holanda, Sérgio Buarque de. 1959. Visão do paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Htun, Mala. 2004. From “Racial Democracy” to Affirmative Action: Changing State Policy on Race in Brazil. Latin American Research Review 39 (1): 60–89.

IBOPE – Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. 2013. 62% dos brasileiros são favoráveis às cotas em universidades públicas. Online: <http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/Paginas/62-dos-brasileiros-sao-favoraveis-as-cotas-em-universidades-publicas.aspx>. Access 16 Aug 2017.

Jäger, Siegfried. 2009. Kritische Diskursanalyse – Eine Einführung. Münster: Unrast.

Jäger, Siegfried; Maier, Florentine. 2009. Theoretical and methodological aspects of Foucauldian critical discourse analysis and dispositive analysis. In: Wodak, Ruth; Meyer, Michael (eds.). Methods of Critical Discourse Analysis. London: Sage, 34–61.

Lamounier, Bolívar. 2007. Prefácio. In: Fry, Peter; Maggie, Yvonne; Maio, Marcos Chor; Monteiro, Simone; Santos, Ricardo Ventura (eds.). Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 9–11.

Link, Jürgen. 1982. Kollektivsymbolik und Mediendiskurse. kultuRRevolution 2, 6–21.

Manifesto do 1o de Agosto de 1822. Esclarece os Povos do Brazil das causas da guerra travada contra o Governo de Portugal. Online: <http://legis.senado.gov.br/ legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=70591>. Access 16 Aug 2017.

Martins, André Ricardo Nunes. 2004. A polêmica construída: racism e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros [PhD Thesis]. Brasília: UnB.

Martins, André Ricardo Nunes. 2012. Racismo discursivo: o debate sobre a política de cotas para negros na imprensa. Discurso & Sociedad 6 (2): 389–417.

Mattos, Wilson Roberto. 2006. Cotas para afro-descendentes na Universidade do Estado da Bahia: uma breve exposição comentada. In: Feres Jr., João; Zoninsein, Jonas (eds.). Ação afirmativa e universidade: experiências nacionais comparadas. Brasília: UnB, 167–182.

Medeiros, Hugo Augusto Vasconcelos; Mello Neto, Ruy De Deus; Gomes, Andreia Macedo. 2016. Limites da lei de cotas nas universidades públicas federais. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas 24 (6): 1–24.

Mendes Jr., Alvaro De Mello e Souza; Waltenberg, Fábio Alberto. 2016. Affirmative Action and Access to Higher Education in Brazil: The Significance of Race and Other Social Factors. Journal of Latin American Studies 48 (2): 301–334.

Muranyi, Heike. 2013. Brasilien als insularer Raum: Literarische Bewegungsfiguren im 19. und 20. Jahrhundert. Berlin: Fry.

Notas Taquigráficas da Audiência Pública: Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 186, Recurso Extraordinário 597.285. 2010. [Stenographic Records of the Public Hearing, Federal Supreme Court of Brazil, Mar 3–5]. Online: <http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/processoAudienciaPublicaAcaoAfirmativa/anexo/Notas_Taquigraficas_Audiencia_Publica.pdf>. Access 16 Aug 2017.

Obermeier, Franz. 2000. Brasilien in Illustrationen des 16. Jahrhunderts. Frankfurt am Main: Vervuert.

Paiva, Angela Randolpho (ed.) 2004. Ação afirmativa na universidade: reflexão sobre experiências concretas Brasil–Estados Unidos. Rio de Janeiro: Ed. PUC/Desiderata.

Paiva, Angela Randolpho (ed.). 2010. Entre dados e fatos: ação afirmativa nas universidades públicas brasileiras. Rio de Janeiro: PUC, Pallas.

Paiva, Angela Randolpho (ed.). 2013. Ação afirmativa em questão: Brasil, Estados Unidos, África do Sul, França. Rio de Janeiro: Pallas.

Paixão, Marcelo. 2005. Crítica da razão culturalista: relacões raciais e a construção das desigualdades sociais no Brasil [PhD thesis]. Rio de Janeiro: IUPERJ.

Paixão, Marcelo. 2008a. A dialética do bom aluno: relações raciais e o sistema educacional brasileiro. Rio de Janeiro: FGV.

Paixão, Marcelo. 2008b. Brazilian Experience Against Racism and in Promoting Racial Equality: policies, trends and limits [Paper presented at the Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights (OHCHR), Working Group of Experts on People of African Descendant, Geneva, Jan 14–18].

Paixão, Marcelo. 2013. 500 anos de solidão: estudos sobre desigualdades raciais no Brasil. Curitiba: Appris.

Paixão, Marcelo; Carvano, Luiz (eds.) 2008. Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil 2007–2008. Rio de Janeiro: Garamond.

Paixão, Marcelo; Rossetto, Irene; Montovanele, Fabiana; Carvano, Luiz (eds.) 2010. Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil 2009–2010. Rio de Janeiro: Garamond.

Paixão, Marcelo. 2014. A Lenda da Modernidade Encantada: por uma crítica ao pensamento social Brasileiro sobre relações raciais e projeto de Estado-Nação. Curitiba: CRV.

Pena, Grace Vieira Martinez; Friedrich, Denise Bittencourt; Silva, Mozart Linhares da. 2016. A política de cotas étnico-raciais para concursos públicos de ensino superior. Barbarói 47 (1): 125–143.

Pereira, Ilídio Medina. 2008. O discurso sobre políticas de cotas raciais no jornalismo online. Revista fronteiras – estudos midiáticos 10 (3): 173–182.

Petruccelli, José Luis. 2007. A cor denominada: estudos sobre a classificação étnico-racial. Rio de Janeiro: DP&A.

Petruccelli, José Luis. 2010. Classificação Racial e Políticas de Açã Afirmativa nas Universidades. In: Paiva, Angela Randolpho (ed.). Entre dados e fatos: ação afirmativa nas universidades públicas brasileiras. Rio de Janeiro: PUC, Pallas, 145–155.

Picanço Felícia. 2016. Juventude e acesso ao ensino superior no Brasil. Latin American Research Review 51(1): 109–131.

Reichmann, Rebecca (ed.). 1999. Race in Contemporary Brazil: From Indifference to Inequality. Pennsylvania: State UP.

Salvador, Andréia Clapp. 2011. Ação afirmativa na PUC-Rio: a inserção de alunos pobres e negros. Rio de Janeiro: PUC.

Schwartzman, Luisa Farah; Paiva, Angela Rondolpho. 2014. Not just racial quotas: affirmative action in Brazilian higher education 10 years later. British Journal of Sociology of Education 37 (4): 548–566.

Schwartzman, Luisa Farah; Silva, Graziella Moraes Dias da. 2012. Unexpected Narratives from Multicultural Policies: Translations of Affirmative Action in Brazil. Latin American and Caribbean Ethnic Studies 7 (1): 31–48.

SPD – Serviço Público pela Democracia. 2017. Um ano de desgoverno golpista, muitos anos de retrocesso. Brasília: Frente Ampla do Serviço Público pela Democracia. Online: <http://frenteamplaspd.redelivre.org.br/files/2017/05/spd-umanodedesgoverno.pdf>. Access 16 Aug 2017.

Solano, Esther; Ribeiro, Marcio Moretto; Ortellado, Pablo. 2017. Pesquisa sobre guerras culturais. São Paulo: UNIFESP/USP. Online: <http://rawgit.com/ pesquisaR/resultados/master/relatorio2.html>. Access 16 Aug 2017.

Souza, Jessé (ed.). 1996. Multiculturalismo e racismo: o papel da ação afirmativa nos Estados Democráticos Contemporâneos. Brasília: Ministério da Justiça.

Souza, Jessé (ed.). 1997. Multiculturalismo e racismo: uma comparação Brasil-Estados Unidos. Brasília: Paralelo 15.

Sowell, Thomas. 2004. Affirmative Action Around the World: An Empirical Study. New Haven: Yale UP.

Telles, Edward E. 2003. US Foundations and Racial Reasoning in Brazil. Theory, Culture & Society 20 (4): 31–47.

Telles, Edward E. 2004. Race in Another America: The Significance of Skin Color in Brazil. Princeton: UP.

Telles, Helcimara de Souza. 2015. Pesquisa perfil ideológico e atitudes políticas dos manifestantes. Belo Horizonte: Grupo Opinião/UFMG. Online: <http://opiniaopublica.ufmg.br/site/pesquisas/perfil-ideologico-e-atitudes-politicas-dos-manifestantes-de-12-de-abril-belo-horizonte>. Access 16 Aug 2017.

Todos têm direitos iguais na República Democrática. 2006. Manifesto presented on 29th of June 2006 to the Brazilian Congress. Online: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u18773.shtml>. Access 16 Aug 2017.

Velloso, Jacques. 2009. Cotistas e Não-cotistas: Rendimento de Alunos da Universidade de Brasilia. Cadernos de Pesquisa 39(137): 621–644.

Name Year

Wodak, Ruth (ed.). 2013. Critical Discourse Analysis. 4 volumes. London: Sage.

Wodak, Ruth; Cillia, Rudolf de; Reisigl, Martin; Liebhart, Karin. 1999. The Discursive Construction of National Identity. Edinburgh: University Press.

Wodak, Ruth; Meyer, Michael (eds.). 2001. Methods of Critical Discourse Analysis. London: Sage, 2001.

Published
2018-10-13
How to Cite
Wink, G. (2018). “Looking for more Brazilian solutions”: Rhetorical Strategies against Ethnic Quotas in Brazilian Higher Education. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 6(2), 3-41. https://doi.org/10.25160/v6.i2/d1