Da Violência como Instrução ao (Des)afeto como Constrangimento: Acumulação Pulsional, Identidades Segmentadas e Clausuras do Comum em Casa Grande (Felipe Barbosa, 2014) e Que Horas Ela Volta (Anna Muylaert, 2015)

Main Article Content

Rafael Tassi Teixeira

Abstract

O trabalho problematiza as releituras da construção do pertencimento em novas (velhas) dialéticas das impossibilidades (diversas paisagens, distintos pertenceres) na construção social do habitar na realidade cotidiana brasileira vista nas relações entre afetos potentes e desafetos invariantes nos dois filmes brasileiros que geraram ampla discussão sobre as relações entre patrões e empregados na cena do imaginário cotidiano da execussão da alteridade: Que Horas Ela Volta (Anna Muylaert, 2015) e Casa Grande (Felipe Barbosa, 2014). Dois filmes como dois desencontros, duas potencialidades da fisionomia do abandono e do seletivismo dos laços na clandestinidade dos apegos e nos descompassos entre a admissão da alteridade pela via do ‘pessimismo sentimental’ e pela clausura dramática dos novos paradigmas sobre as sentidas (i)mobilidades clássicas da realidade social brasileira desde o comum da repetição ao pulsional da ordem na ciclotimia nas relações patrões-empregados.

Article Details

How to Cite
Teixeira, R. (2018). Da Violência como Instrução ao (Des)afeto como Constrangimento: Acumulação Pulsional, Identidades Segmentadas e Clausuras do Comum em Casa Grande (Felipe Barbosa, 2014) e Que Horas Ela Volta (Anna Muylaert, 2015). Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 6(1), 151-167. https://doi.org/10.25160/v6.i1/d8
Section
Dossier

References

CLIFFORD, James. Dilemas de la Cultura. Barcelona: Gedisa, 1999. DA MATTA, Roberto. A Casa e a Rua: Espaço, Cidadania, Mulher e Morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco: 1997. DAWSEY, John. “O Teatro dos Boiás-Frias: Repensando a Antropologia da Performance”, Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 11, n. 24, jul\dez, 2005. DELEUZE, Gilles. A Imagem-Tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990. DUNKER, Cristian. Mal Estar, Sofrimento, Sintoma: Uma Psicopatologia do Brasil entre Muros. São Paulo: Boitempo, 2015. KEHL, Maria Rita. Ressentimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. FISCHER, Sandra. Cotidianos no Cinema Brasileiro Contemporâneo: Imagens da Família, da Casa e da Rua. Porto Alegre: EditoraPlus.org, 2009. GEERTZ, Clifford. Nova Luz Sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. JEUDY, Henri Pierre. Memórias do Social. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991. LACOUE-LABARTHE, Philippe e NANCY, Jean-Luc. La Panique Politique. Paris: Christian Bourgeois Editeurs, 2013. RANCIÉRE, Jacques. O Espectador Emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2015. SIBILA, Paula. O Show do Eu: A Intimidade como Espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008. VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “Equívocos da Identidade”, IN: GONDAR, Jô e DOBEDEI, Vera (orgs.). Rio de Janeiro: ContraCapa, 2005.