Ética do gueto: figuras do mal em canções de rap brasileiras e norte-americanas

Main Article Content

Thiago Cazarim da Silva

Abstract

O objetivo deste trabalho é destacar alguns aspectos relativos à cultura hip-hop e, em particular, às canções de rap como formas de experiência do espaço urbano. As canções de rap de artistas dos EUA e do Brasil, que produzem diferentes narrativas e figurações do urbano, parecem manifestar uma experiência da cidade como lugar decisivamente marcado pelo signo do mal, ou melhor, dos diferentes males que nela tomam corpo e lugar. Uma tal experiência, por sua vez, implica a produção de interrogações de cunho ético acerca do papel da arte popular e das possibilidades de conduta e ação individual e social na cidade. Desta forma, a cidade, mais que palco para as performances das artes de rua, é também vivida como persona capaz de abrir interpelações éticas.

Article Details

How to Cite
Cazarim da Silva, T. (2017). Ética do gueto: figuras do mal em canções de rap brasileiras e norte-americanas. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 5(2), 327-346. https://doi.org/10.25160/v5i2.ga.3
Section
General Articles
Author Biography

Thiago Cazarim da Silva, Instituto Federal de Goiás

Professor de Música do Instituto Federal de Goiás. Doutorando em Performances Culturais, Mestre em Filosofia e Bacharel em Músical pela Universidade Federal de Goiás.

References

CASTRO, E. 2009. Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica. CAMARGOS, R. 2015. Rap e política: percepções da vida social brasileira. São Paulo: Boitempo. CORLETT, J. Angelo. 2006. “‘Para todos os meus pretos e vadias’: ética e epítetos”. In: Hip hop e a filosofia: da rima à razão, p. 150 – 159. São Paulo: Madras. FLEURY, M. C. 2015. “Hibridações locais e processos identitários: o rap em Goiânia e Aparecida de Goiânia”. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Goiás. GARCIA, A. 2014. “O rap entre mestiçagens e negritudes: música e identidade no Brasil e em Cuba (1988-2005)”. Tese de doutorado, Universidade de Brasília. JAMES, J. 2006. “‘A polícia (Estado) que se f***’: rap, guerra e o Leviatã”. In: In: Hip hop e a filosofia: da rima à razão, p. 76 – 86. São Paulo: Madras. KELLY, E. I.2006. “Mentalidade orientada para o crime e a justiça: retribuição, castigo e autoridade”. In: Hip hop e a filosofia: da rima à razão, p. 181 – 189. São Paulo: Madras. LAWSON, Bill E. 2006. “Comandos do microfone: Rap e Filosofia política”. In: Hip hop e a filosofia: da rima à razão, p. 161 – 171. São Paulo: Madras. MC PHERSON, Lionel K. 2006. “Revolução a meio caminho: daquele gangsta Hobbes aos liberais radicais”. In: Hip hop e a filosofia: da rima à razão, p. 172 – 180. São Paulo: Madras. OLÁRIA, V. 2012. Hip hop: arte-vida-trabalho e experiência docente. Goiânia: Editora UFG. REVEL, J. 2005. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz. ROSA, W. 2006. “Homem preto do gueto: um estudo sobre a masculinidade no rap brasileiro”. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília. ROSE, T. 1994. Black noise: rap music and black culture in contemporary America. Middletown: Wesleyan University Press. SHUSTERMAN, Richard. 2006. “Estética rap: violência e a arte de ficar na real”. In: Hip hop e a filosofia: da rima à razão, p. 66 – 75. São Paulo: Madras. WACQUANT, L. 2008. As duas faces do gueto. São Paulo: Boitempo Editorial. WEBB, G. 1998. Dark Alliance: the CIA, the Contras, and the crack cocaine explosion. New York: Seven Stories. FONTES DE PESQUISA: ARRAES, J. 2015. “Bárbara Sweet: ‘Todas as mulheres do rap têm histórias de machismo pra contar””. Revista Fórum, http://www.revistaforum.com.br/2015/02/04/barbara-sweet-todas-mulheres-rap-temhistorias-de-machismo-pra-contar/. BLACK SOUL, F. 2009. “Afrika Bambaataa”. Blog. Felipe Black Soul, http://felipeblacksoul.blogspot.com.br/2009/06/afrika-bambaataa.html. BOTELHO, G. 2010. Nos tempos da São Bento. Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=jtkND9L4IKQ. FACÇÃO CENTRAL. 2007. Sei Que Os Porcos Querem Meu Caixão. Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=wmYKiRQnqbo. FACE DA MORTE. 2011. Lado B Da Farda. Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=bJ0u8_ywg7c. . GRIOT URBANO. 2015. #5 – Elementos do Hip Hop. Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=VSHXBEdnXbk. _______________. 2016a. #10 – O Hip Hop é uma Tecnologia!? Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=2dkuHM2eKlI. _______________. 2016b. #11 – Das Gangs às Crews Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=3A-7eXNbgjg. KRS-ONE. 2004a. Everybody rise. Texto. Genius.com. http://genius.com/Krs-one-everybody-rise-lyrics. ________. 2004b. Freestyle Ministry. Texto. Genius.com. http://genius.com/Krs-one-freestyle-ministry-server-verbals-lyrics. ________. 2004c. One ilegal business Remix 2004. Texto. Genius.com. http://genius.com/Krs-one-illegal-business-remix-2004-lyrics. ________. 2004d. You go on? Texto. Genius.com. http://genius.com/Krs-one-you-gon-go-lyrics. PARIS. 1990a. Escape from Babylon. Texto. Genius.com. http://genius.com/Paris-rapper-escape-from-babylon-lyrics. ______. 1990b. The Devil made me do it. Texto. Genius.com. http://genius.com/Paris-rapper-the-devil-made-me-do-it-lyrics. RACIONAIS MC’S. 2007. A Vida é Desafio. Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=52NT9cSWC_8. TESTEMUNHA OCULAR. 2013. Goiânia em Caos. Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=DotqEWPan_8. ______________________. 2015. Frutos Da Rua (CD Completo 2002/Rap Goiano). Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=kOEkt9E4B44. THIAGÃO E OS KAMIKAZES DO GUETO. 2009. Só Monstro. Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=mt_o-Aofu0E. ______________________________________. 2012. Na fé de Deus – joga os plaquê. Vídeo. https://www.youtube.com/watch?v=otzQONMROm8.