A formação das torcidas organizadas de futebol do Rio de Janeiro: Uma leitura de sua dinâmica histórica a partir das fontes impressas do Jornal dos Sports (1940-1980)

Main Article Content

Bernardo Borges Buarque de Hollanda

Abstract

O artigo aborda as fontes do jornalismo esportivo brasileiro e demonstra o papel dos grupos organizados de fãs de futebol no Rio de Janeiro entre os anos de 1940 e 1980. Desde o início, há notas biográficas feitas sobre os mais conhecidos fãs do Rio, como Jaime de Carvalho (1942). O surgimento de dissidência entre os fãs, no final dos anos 1960, é então coberto, que se estabelece dentro dos fãs organizados no Rio com esses indivíduos começando a questionar a autoridade dos líderes do grupo de fãs de idade. Isso é contra o princípio de dar apoio incondicional ao clube e postula-se que os fãs têm o direito de criticar e protestar contra a gestão do clube, mesmo que isso signifique usar táticas vigorosas. Juntamente com a narrativa jornalística, há um rompimento dos "Jovens Fãs" e um processo de emancipação que ocorre durante a década de 1970, isto acontece através do uso de treinadores de fãs e da invenção de um estilo de vida que está associado com Futebol Finalmente, a década de 1980 é marcada pelo potencial construtivo e destrutivo que está ligado aos grupos de fãs.

Article Details

How to Cite
Buarque de Hollanda, B. (2017). A formação das torcidas organizadas de futebol do Rio de Janeiro: Uma leitura de sua dinâmica histórica a partir das fontes impressas do Jornal dos Sports (1940-1980). Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 5(1), 367-404. https://doi.org/10.25160/v5.i1/ga.2
Section
General Articles

References

Arendt, H. (1994), Sobre a violência.  Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Aristóteles. (n.d), Arte retórica e arte poética. Rio de Janeiro: Ediouro.

Barbosa, M. (2007), História cultural da imprensa: Brasil – 1900-2000. Rio de Janeiro: Mauad X.

Bon, G. L. (2008), A psicologia das multidões. São Paulo: Martins Fontes.

Bornheim, G. (1992), Brecht, a estética do teatro. Rio de Janeiro: Graal.

Bourdieu, P. (1983), Questões de sociologia.  Rio de Janeiro: Marco Zero.

Burke, P.; Porter, R. (Eds.) (1997), História social da linguagem. São Paulo: UNESP.

Carvalho, J. A. d. (1968), Torcedores de ontem e hoje. Rio de Janeiro: O Cruzeiro.

Castro, R. (1992), O anjo pornográfico – a vida de Nelson Rodrigues. São Paulo: Companhia das Letras.

Coelho Neto, P. (1953), História do Fluminense.  Rio de Janeiro: n.e.

Costa, A. L. (1995), ‘A organização cordial: ensaio de cultura organizacional do Grêmio Gaviões da Fiel’, Revista de Administração de Empresas, Vol. 35, N. 6. (Nov. -Dec.), pp. 40-54.

Elias, N; Dunning, E. (1995), A busca da excitação. Lisboa: Difel.

Flores, L. F. B. N. (1995), ‘Da construção do conceito de violência’, Pesquisa de Campo: Revista do Núcleo de Sociologia do Futebol, Vol. 1. N. 2., pp. 10-19.

Foucault, M. (1979), Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

Ginzburg, C. (1989), Mitos, emblemas e sinais: história e morfologia. São Paulo: Companhia das Letras.

Jornal dos Sports. (1967-1984), Historical Archives. Rio de Janeiro.

Lopes, J. S. L. (1994), ‘A vitória do futebol que incorporou a pelada’, Revista USP – dossiê futebol, N. 22 (Jun. – Aug.), pp. 64-83.

Marcondes, F. C. (1986), Violência das massas no Brasil. São Paulo: Global.

Miceli, S. (1977), ‘A força política que vem das arquibancadas’ Revista Isto É. São Paulo: N. 42, pp. 16-18.

Pereira, L. A. M. (2001), Footballmania: uma história social do futebol no Rio de Janeiro (1902-1938). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Santos, J. F. (1988), ‘Torcidas Organizadas: as gangues da paixão’, Jornal do Brasil. Rio de Janeiro: 22 de maio, Suplemento Especial - Revista de Domingo, p. 11.

Silva, E. M. (1999), ‘A violência no futebol e a imprensa esportiva’, Futebol, espetáculo do século. São Paulo: Musa Editora.  

Soares, L. E. (2000), ‘Uma interpretação do Brasil para contextualizar a violência’, Linguagens da violência.  Rio de Janeiro: Rocco.

Thompson, E. P. (1998), Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras.

Teixeira, R. C. (2004), Os perigos da paixão: visitando jovens torcidas cariocas. São Paulo: Annablume.

Toledo, L. H. (2002), Lógicas no futebol. São Paulo: HUCITEC.

_____. (1996), Torcidas organizadas de futebol. São Paulo: Editores Associados. 

Wisnik, J. M. (1992), ‘Algumas questões de música e política no Brasil’, A cultura brasileira. São Paulo: Ática.