(R)existir com imagens: considerações sobre a produção audiovisual indígena no Brasil

Main Article Content

Karliane Macedo Nunes

Abstract

O presente artigo trata das produções audiovisuais indígenas realizadas no Brasil, sobretudo aquelas vinculadas ao projeto Vídeo nas Aldeias, que desde o final dos anos 1980 vem promovendo oficinas de formação audiovisual em diversos territórios, incentivando o protagonismo de jovens indígenas na construção de suas imagens e narrativas. Chama a atenção a forma criativa como os jovens cineastas vem se apropriando das tecnologias de modo a produzir filmes que - para além propósito inicial de registrar e “preservar” a tradição – potencializam as possibilidades abertas pelo cinema, pondo-se a criar novas imagens, (re)inventar culturas, abalar imaginários, manter-se em movimento, (r)existir.

Article Details

How to Cite
Nunes, K. (2017). (R)existir com imagens: considerações sobre a produção audiovisual indígena no Brasil. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 5(1), 318-343. https://doi.org/10.25160/v5.i1/d12
Section
Dossier
Author Biography

Karliane Macedo Nunes, Universidade Federal da Bahia Universidade Federal do Amazonas

Professora do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Amazonas. Doutoranda do Programa Multidisciplinar em Cultura e Sociedade, da Universidade Federal da Bahia, com pesquisa sobre Cinema Indígena. Bolsista Fapesb. Membro do Grupo de Pesquisa em Cultura e Subalternidades, da Ufba.

References

BRASIL, André. Formas de vida na imagem: da indeterminação à inconstância. Revista FAMECOS. Porto Alegre, v. 17, n.3, p. 190-198, setembro/dezembro 2010. _____________. Mise-en-abyme da cultura: a exposição do “antecampo” em Pi’õnhitsi e Mokoi Tekoá Petei Jeguatá. Significação. v. 40, n. 40, 2013. BUSSO, Adriana F. Ao sabor das águas acreanas. Etnografia das oficinas de vídeo do Projeto Vídeo nas Aldeias: Ashaninka e Huni Kuin. Dissertação de Mestrado. UFSCar, São Carlos, 2011. CARELLI, Vincent; GALLOIS, Dominique. “Índios eletrônicos”: uma rede indígena de comunicação. Sexta-feira (2), “Festas”. Disponível em: http://www.antropologia.com.br/tribo/sextafeira/. ____________________. Vídeo e diálogo cultural: experiências do projeto Vídeo nas Aldeias. Horizontes Antropológicos, (2), Antropologia Visual, PPGAS/UFRGS, 1995. CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas. São Paulo: Cosac Naif, 2010. GRUPIONI, Luís Doniseti Benzi (org.). Índios no Brasil. São Paulo: Global; Brasília, MEC, 2000. MIGLIORIN, Cezar. Território e virtualidade. Quando a “cultura” retorna no cinema. In: Revista Famecos. Mídia, cultura e tecnologia. Porto Alegre, vol. 20, n.2, maio/agosto 2013. MORGADO, Paula. Cinéma améridien brésilien et utilisation du cyberspace. Pour quoi? Anthrovision. [On line]. 2.2 (2014), On line since 05 January 2015, connection on 09 February 2015. PEREIRA, Eliete S. Pós-modernidade e mídias nativas: a comunicação indígena audiovisual brasileira. Comunicação e Sociedade, Vol. 18, 2010, p. 97-105. QUEIROZ, Ruben C. Cineastas indígenas e pensamento selvagem. Revista Devires. Cinema e humanidades. V. 5 n. 2 Jul/Dez. UFMG, Belo Horizonte, 2008. SHOHAT, Ella; STAM, Robert. Crítica da imagem eurocêntrica: multiculturalismo e representação. São Paulo, CosacNaif, 2006. STAM, Robert. Multiculturalismo Tropical: uma história comparativa da raça na cultura e no cinema brasileiros. São Paulo, Edusp, 2008. VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América Indígena. In: A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. CosacNaif, 2002.