Lendo alteridades, forjando identidades à luz da Segunda Escolástica: Antônio Vieira, um jardineiro de almas selvagens.

Main Article Content

Felipe Lima da Silva

Abstract

Este artigo pretende refletir acerca da configuração da imagem do índio no sermonário de Antônio Vieira, relacionando questões eminentes do pensamento escolástico e dos interesses da ordem jesuítica. Mais precisamente, será enfocada a visão dos missionários sobre a alteridade do Novo Mundo, ressaltando, por sua vez, a ótica pragmática de Vieira a propósito dos povos recém-descobertos no século XVI.

Article Details

How to Cite
da Silva, F. (2017). Lendo alteridades, forjando identidades à luz da Segunda Escolástica: Antônio Vieira, um jardineiro de almas selvagens. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 5(1), 33-57. https://doi.org/10.25160/v5.i1/d2
Section
Dossier
Author Biography

Felipe Lima da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Graduado em Letras pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente é mestrando em Literatura Brasileira no Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É bolsista de produtividade no mestrado pela Capes.

References

AGNOLIN, Adone Jesuítas e selvagens: a negociação da fé no encontro catequético-ritual americano-tupi (sec. XVI-XVII). São Paulo: Humanitas Editorial, 2007.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: a formação do Brasil no Atlântico Sul (Séculos XVI e XVII). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ARISTÓTELES. Política. Trad. Therezinha Monteiro Deustch e Baby Abrão. São Paulo: Nova Cultural, 2004.

CAMINHA, Pero Vaz de. Carta a El-rei D. Manuel. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1974.

CARDIM, Fernão. Tratados da Terra e gente do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EdUSP, 1980.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. “O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem”. A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002, p. 181-264.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

GÂNDAVO, Pero de Magalhães. História da província de Santa Cruz. Rio de janeiro: Jose Zahar, 2004.

HANSEN, João Adolfo. “A servidão natural do selvagem e a guerra justa contra o bárbaro”. In NOVAES, Adauto. (Org.) A descoberta do homem e do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 347-373.

______. “A escrita da conversão”. In CASTIGAN, L. H. (Org.). Diálogos da conversão: missionários, índios, negros e judeus no contexto ibero-americano do período barroco. Campinas: Ed. Unicamp, 2005, p. 15-43.

______. “Anchieta: poesia em tupi e produção da alma”. In ABDALA JR, B. & CARA, S. Moderno de nascença: figurações críticas do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 11-26.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do Paraíso. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

HUE, Sheila Moura. “Introdução”. Primeiras cartas do Brasil. Tradução, introdução e notas de Sheila Moura Hue. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006, p. 11-27.

MONTAIGNE, Michel de. “Sobre os canibais”. Os ensaios. Trad. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 139-157.

NEVES, Luiz Felipe Baêta. Vieira e a imaginação social jesuítica. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

NOVAES, Adauto. “A outra margem do Ocidente”. In ______ (Org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 7-14.

OLIVEIRA, Ana Lúcia M. de. “’Pregando a toda criatura’: Antônio Vieira e a semeadura no novo mundo”. In JOBIM, J. L.; PELOSO, S. (Orgs.). Descobrindo o Brasil: sentidos da literatura e da cultura no Brasil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011, p. 29-50.

PÉCORA, Alcir. “Vieira, o índio e o corpo místico”. In NOVAES, A. (Org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 423-461.

______. “Vieira e a condução do índio ao corpo místico do império português”. In CASTIGAN, L. H. (Org.). Diálogos da conversão: missionários, índios, negros e judeus no contexto ibero-americano do período barroco. Campinas: Ed. Unicamp, 2005, p. 83-98.

______. “O bom selvagem e o boçal”. In AZEVEDO, S.M; RIBEIRO, V.C. (Orgs.). Vieira: Vida e Palavra. São Paulo: Edições Loyola, 2008, p. 55-68.

ROGNON, Frédéric. Os primitivos, nossos contemporâneos. Campinas: Papirus, 1991.

ROUANET, Sérgio Paulo. “O mito do bom selvagem”. In NOVAES, A. (Org.). A outra margem do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999, p. 415-138.

VIEIRA, A. Sermões. 2 vol. Org. de Alcir Pécora. São Paulo: Hedra, 2000.

______. Obra completa Padre Antônio Vieira: Cartas da Missão; Cartas da Prisão. São Paulo: Edições Loyola, 2015, vol. II, tomo I.

_____. Obra completa Padre Antônio Vieira: História do Futuro. São Paulo: Edições Loyola, 2015, Tomo III.