A exceção como prática: as políticas de pacificação no Rio de Janeiro (2008-2015)

Main Article Content

Thiago Rodrigues
Flávia Rodrigues de Castro
Thaiane Mendonça

Abstract

O presente artigo tem como principal objetivo analisar a existência de uma relação entre a política de segurança pública do Rio de Janeiro, implementada pelas Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) e pelas forças de pacificação do Exército Brasileiro, e a produção de “espaços” de exceção que funcionam sob a dupla categorial vida biológica-vida política (zoé-bíos). Parte-se da hipótese de que o regime de exceção que a atual política de segurança pública produz não se estende a todo o território estadual, mas restringe-se a espaços determinados, nos quais há a suspensão de uma série de direitos civis e a atuação da polícia como ator soberano. Nesses “espaços” de exceção o Estado da lei ameaça transformar-se em Estado policial, cujo poder incide sobre indivíduos forçosamente reduzidos à “vida nua”, isto é, indivíduos que podem ter sua vida exterminada sem que isso constitua a perpetração de algum crime ou violação. Este cenário aponta para a construção de sociedades de (in)segurança que, ao constituírem-se como um espaço pautado pela politização da vida nua, possibilitam a imposição de medidas que seriam inaceitáveis sem esta construção.

Article Details

How to Cite
Rodrigues, T., de Castro, F., & Mendonça, T. (2016). A exceção como prática: as políticas de pacificação no Rio de Janeiro (2008-2015). Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 4(2), 73-111. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/22168
Section
Dossier
Author Biographies

Thiago Rodrigues, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Professor do Programa de Pós-graduação em Estudos Estratégicos, Defesa e Segurança da Universidade Federal Fluminense (UFF)

Flávia Rodrigues de Castro

Flávia Rodrigues de Castro é bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Federal Fluminense, mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos, da Segurança e da Defesa (PPGEST) da UFF e doutoranda no Instituto de Relações Internacionais (IRI) da PUC-Rio. É pesquisadora associada ao Laboratório de Estudos de Sociedade e Defesa (ESG).

Thaiane Mendonça

Thaiane Mendonça é bacharel em Relações Internacionais pela Universidade Federal Fluminense e mestranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos, da Segurança e da Defesa (PPGEST) da UFF. É pesquisadora vinculada ao projeto “Narcotráfico e militarização no entorno estratégico nacional: lições para o Brasil”.

References

Agamben, Giorgio. Mais além dos direitos do homem. Disponível em www.oestrangeiro.net/política Acessado em 12 de agosto de 2015.

______. Means without End Notes on Politics. In: Buckley, Sandra et al. (Org.). Theory of Bounds. Londres: University of Minnesota Press, 2000. Disponível em: <http://roundtable.kein.org/node/620>. Acesso em: 11 jun. 2015.

______. ‘Security and Terror’ 5(4) Theory&Event, 2001. Disponível em: http://muse.jhu.edu Acesso em: 12 jun. 2015.

______. Estado de Exceção. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

______. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014a.

______. Como a obsessão por segurança muda a democracia. Le Monde Diplomatique Brasil, janeiro 2014b. Disponível em: http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=1568 Acesso em: 06 jun. 2015

Almendra, Dinaldo. As UPPs, as elites e a imprensa: militarização e consumo no processo de “pacificação” de favelas no Rio de Janeiro. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, vol. 35, n. 126, pp. 61-89, jan/jun, 2014.

Amar, Paul. Operation Princess in Rio de Janeiro: policing ‘sex trafficking’, strengthening worker citizenship, and the urban geopolitics of security in Brazil”, Security Dialogue, vol. 40, n. 4/5, pp. 513-541, 2009.

Arendt, Hannah. A Condição Humana. 09 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

______.As origens do totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Arias, Enrique Desmond. Drugs and democracy in Rio de Janeiro: trafficking, networks, and Public Security. Raleigh: University of North Carolina Press, 2008.

Beck, Ulrich. Sociedade de Risco: rumo a uma outra modernidade. Tradução de Sebastião Nascimento. São Paulo: Ed. 34, 2011.

Boiteux, Luciana. Contradicciones y ambigüedades en la política brasileña de drogas en el siglo XXI: avances y retrocesos in Labate, B.C.; Rodrigues, T. (eds.). Drogas, política y sociedad en América Latina y el Caribe. México D.F.: CIDE, 2015, p. 317-340.

BRASIL. Presidência da República. Decreto no 54.216, de 27 de agosto de 1964. Lei de Entorpecentes. Brasília, D.F. 1964.

______.Presidência da República. Lei Complementar no 97, de 9 de junho de 1999. Normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. Brasília, D.F. 1999

Cabeleira, Mayara de Martini. UPP e UPP Social: novas políticas, outras polícias. In: Ecopolíticas. nº5. pp.169-174. 2013.

Cano, Ignácio (coord.). “Os Donos do Morro”: uma avaliação exploratória do impacto das unidades de polícia pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fórum Brasileiro de Segurança Pública e Laboratório de Análise de Violência da (LAV-UERJ), mai. 2012.

Granja, Patrick. UPP: o novo dono da favela (Cadê o Amarildo?). Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2015.

Krauthasen, Ciro; Sarmiento, Luis. Cocaína & Co.: un mercado ilegal por dentro. Bogotá: Tercer Mundo Editores, 1991.

Leite, Márcia Pereira. Da “metáfora da guerra”ao projeto de “pacificação”: favelas e políticas de segurança pública no Rio de Janeiro. In: Revista Brasileira de Segurança Pública. São Paulo. v.6, nº2. pp.374-389. 2012.

______. Entre a “guerra” e a “paz”: Unidades de Polícia Pacificadora e gestão de territórios de favela no Rio de JaneiroIn DILEMAS: Revista de Estudos de Conflitos e Controle Social. Vol.7, nº4. pp.625-642. 2014.

Lima, Carlos Alberto de. Força de Pacificação: os 583 dias da pacificação dos complexos da Penha e do Alemão. Rio de Janeiro: Agência 2A Comunicação, 2012.

Oliveira, João Pacheco de. Pacificação e tutela militar na gestão de populações e territórios. In: Mana 20(1), 2014,  pp.125-161.

Passetti, Edson. Governamentalidade e violências. Currículo sem Fronteiras. Vol. 11., n. 1, pp. 42-53, 2011.

Rodrigues, Thiago. Guerra e política nas relações internacionais. São Paulo: Educ, 2010.

______. Narcotráfico e militarização nas Américas: vício de guerra. Contexto Internacional, vol. 34, nº1, Rio de Janeiro, jan./jun. 2012.

______. Narcotráfico, uma guerra na guerra (2ª edição). São Paulo: Desatino, 2012a.

Rodrigues, Thiago; Serra, Carlos Henrique Aguiar. Estado de direito e punição: a lógica da guerra no Rio de Janeiro. Curitiba: Revista Paranaense de Desenvolvimento. Vol.35, nº126. pp.91-108. 2014.

Santos Filho, Julio Cesar de Mendonça. A militarização da segurança pública e a vida nua: o caso das UPPs. 2013. Disponível em <http://www.inest.uff.br/index.php/selecione-um-evento/biblioteca-112/pesquisa-avancada/3-estudos-estrategicos/23-a-militarizacao-da-seguranca-publica-e-a-vida-nua-o-caso-das-upps>. Acesso em 20 jul 2015.

Schmitt, Carl. Political Theology. Cambridge: MIT Press, 1985

______. The Concept of the Political. Chicago: The University of Chicago Press, 1996.Valladares, Licia. A invenção da favela: do mito de origem ao favela.com. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2005