Da favela para o mundo: articulações entre o local e o global no funk brasileiro2

Main Article Content

Debora Costa de Faria

Abstract

Descendente direto das festas que tomavam conta dos bairros dos subúrbios cariocas, há tempos o funk não se restringe apenas àquelas localidades. Nesse sentido, este artigo propõe pensar como este gênero estigmatizado ao longo dos anos, encontra, não sem algumas dificuldades e mediações, espaços para além das fronteiras da cidade do Rio de Janeiro e do Brasil.

Article Details

How to Cite
Faria, D. (2015). Da favela para o mundo: articulações entre o local e o global no funk brasileiro2. Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 4(1), 55-81. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/20657
Section
Dossier
Author Biography

Debora Costa de Faria, Federal University of São Paulo

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo.

References

ARRUDA, Angela, JAMUR, Marilena, MELICIO, Thiago, & BARROSO, Felipe. 2010. “De pivete a funqueiro: genealogia de uma alteridade”. Cadernos de Pesquisa40(140), 407-425.

ASSEF, Cláudia. 2003. Todo DJ já sambou: a história do disc-jóquei no Brasil. São Paulo: Conrad Editora do Brasil.

APPADURAI, Arjun. 1996. Modernity at large: Cultural dimensions of globalization. University of Minnesota Press.

BAILEY, Thomas B. 2010. “What in the world is ‘global ghettotech’: radical riddims or neo-exotica?”.http://vagueterrain.net/content/2010/03/whatworld-global-ghettotech-radical-riddims-or-neo-exotica.

CAIO, Manoel. S. 2013. “Cumbia villera, Kuduro e Technobrega: repercussões e repertórios dinâmicos das cenas musicais”. Comunicação no XXIV Congresso da Associação Latinoamericana de sociologia..

DAYRELL, Juarez.  1999. “Juventude, grupos de estilo e identidade”. Belo Horizonte: Educação em revista, pp. 25-39.

_________________ 2002. “O rap e o funk na socialização da juventude”. 2002. Educação e Pesquisa, pp. 117-136. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 117-136.

FARIA, Debora C. 2014. “O local e o global no funk brasileiro e no kuduro angolano”. Dissertação de mestrado. Guarulhos: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Guarulhos, 2014.

ESSINGER, Sílvio.  2005. Batidão: uma história do funk. Rio de Janeiro: Record.

FREIRE, João e HERSCHMANN, Micael. “Funk carioca: entre a condenação e a aclamação na mídia”. Eco-Pós. http://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/article/view/1133.

HALL, Stuart. 1998. A questão da identidade cultural. Textos didáticos. São Paulo, SP: IFHC/Unicamp.

________ 2006. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora.

HERSCHMANN, Micael. 2000. O funk e o hip hop invadem a cena. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

PEREIRA, Alexandre. B. 2014. “Funk ostentação em São Paulo: imaginação, consumo e novas tecnologias da informação e da comunicação”. São Paulo: Revista de estudos culturais.

ROCHA, Camilo. 2007. “’Globalistas’ buscam sons periféricos”. http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u358180.shtml

SÁ, Simone. 2007. “Funk carioca: música eletrônica popular brasileira?!”. Brasília: E-Compós.

SÁ, Simone; MIRANDA, Gabriela. 2013. Brazilian Popular Music Economy Aspects: The Baile Funk Circuit. IASPM Journal (Journal of the International Association for the Study of Popular music), v. 3, pp. 9-18.

SNEED, Paul. 2008. “Favela utopias: The Bailes Funk in Rio's crisis of social exclusion and violence”. Latin America Research Review. v. 43, n. 2, pp. 57-79.SOUTO, Jane. 1997. “Os outros lados do funk carioca. In: VIANNA, Hermano (org.). Galeras cariocas”. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

SOUTO, Jane. 1997. “Os outros lados do funk carioca”. In: VIANNA, Hermano (org.). Galeras cariocas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

VIANNA, Hermano. 1987. “O baile funk carioca: festas e estilos de vida metropolitanos”. Dissertação de mestrado. Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

__________________ 2003. “Do samba ao funk: música e globalização no Rio de Janeiro no século XX”. Apresentação. Casa da América, Madrid.