Sobre a origem histórica da diversidade do romance brasileiro contemporâneo (numa leitura de Quarup como “romance de arquivo”)

Main Article Content

Pedro Ramos Dolabela Chagas

Abstract

Debate-se a origem histórica da alta diversidade estilística e temática da literatura brasileira contemporânea, tendo como foco o romance. Discute-se as dominantes poetológicas que conferiram estabilidade ao gênero no Brasil até, aproximadamente, a década de 1950, localizando-se nas décadas de 1960 e 1970 a dissipação daquelas dominantes, do que seria sintomática a emergência de um novo tipo de obra: o “romance de arquivo” (pela denominação de R. G. Echevarría). Da discussão das tendências que então perdiam prestígio, são discutidas as características do “romance de arquivo”, tomando-se Quarup, de Antônio Callado, como exemplo. O argumento é que a perda de importância de paradigmas críticos tradicionais, as transformações sociais vividas no Brasil e o surgimento de obras dissonantes da tradição produziram um campo literário complexo e menos regido por expectativas normativas, favorecendo a diversificação e inaugurando o período de incremento da variação estilística que, passadas algumas décadas, hoje caracteriza a nossa literatura.

Article Details

How to Cite
Chagas, P. (2014). Sobre a origem histórica da diversidade do romance brasileiro contemporâneo (numa leitura de Quarup como “romance de arquivo”). Brasiliana - Journal for Brazilian Studies, 3(1), 237-264. https://doi.org/10.25160/v3.i1/d11
Section
Dossier
Author Biography

Pedro Ramos Dolabela Chagas, UESB - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Mestre em Teoria Da Literatura pela Universidade Federal de Minas Gerais (2003) e doutor em Literatura Comparada pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (2007), e em Estética e Filosofia da Arte pela UFMG (2010).