O Pesadelo Brasileiro: Conservadorismo, Neoliberalismo e Neoextrativismo Intenso Conservatism, neoliberalism and intense neoextrativism

Main Article Content

Alfredo Gugliano
Carlos Alberto Seifert Jr.
Guilherme de Queiroz Stein
Bruna Fernanda Suptitz

Abstract

Na década de 2010, lideranças conservadoras conquistaram o governo em muitas democracias ocidentais. Nessa onda, Jair Bolsonaro foi eleito Presidente do Brasil em 2018. Este trabalho tem como objetivo analisar algumas das estratégias centrais deste governo, especialmente a promoção do neoextrativismo intenso como principal motor do crescimento econômico, representando uma nova forma de aliança entre conservadorismo e neoliberalismo. Dentre as principais características desse modelo está a ruptura das políticas ambientais no Brasil. Este artigo realiza uma análise documental e estatística descritiva para comprovar como essas estratégias são praticadas e sublinhar suas consequências mais importantes. Nossa pesquisa identificou e descreveu quatro estratégias adotadas pelo Governo de Bolsonaro que aumentam essa situação: desmantelamento de espaços de participação social, militarização de órgãos ambientais, desagregação institucional e cortes de recursos orçamentários. Finalmente, alertamos sobre as graves consequências dessa situação que não afeta apenas os brasileiros, mas atinge a capacidade global de enfrentar desafios ambientais.

Article Details

How to Cite
Gugliano, A., Seifert Jr., C. A., de Queiroz Stein, G., & Suptitz, B. F. (2022). O Pesadelo Brasileiro: Conservadorismo, Neoliberalismo e Neoextrativismo Intenso : Conservatism, neoliberalism and intense neoextrativism. Brasiliana: Journal for Brazilian Studies, 11(1), 105–127. Retrieved from https://tidsskrift.dk/bras/article/view/132345
Section
General Articles

References

Abers, R. N., Oliveira, M. S. de. (2015). Nomeações políticas no Ministério do Meio Ambiente (2003-2013): interconexões entre ONGs, partidos e governos. Opinião Pública, 21(2), pp. 336-364.

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. (2020). Governo Bolsonaro tem 99 militares comissionados na gestão socioambiental. Recuperado de https://www.abraji.org.br/noticias/governo-bolsonaro-tem-99-militares-comissionados-na-gestao-socioambiental (Acessado em 21/09/2021).

Abramovay, R. (2019). Amazônia: por uma Economia do Conhecimento da Natureza. São Paulo: Elefante.

Acosta, A. (2016). Extrativismo e Neoextrativismo in Dilger, G., Lang, M. A., & Pereira Filho, J. (Eds.), Descolonizar o imaginário - debates sobre o pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento (). São Paulo, SP: Fundação Rosa Luxemburgo, pp. 46-85.

Alentejano, P. R. R. (2020) As políticas do Governo Bolsonaro para o campo. Revista da ANPEGE, 16 (29), pp. 353-392.

Alonso, A. (2019). A comunidade moral bolsonarista in Abranches, S. et al. Democracia em risco? 22 ensaios sobre o Brasil hoje (). São Paulo, SP: Companhia das Letras, pp. 41-56

Bastos Lima, M. G., & da Costa, K. (2021). Quo vadis, Brazil? Environmental Malgovernance under Bolsonaro and the Ambiguous Role of the Sustainable Development Goals. Bulletin of Latin American Research. https://doi.org/10.1111/blar.13336

Böhmelt, T. (2021). Populism and Environmental Performance. Global Environmental Politics, 21(3), pp. 97-123.

Bragança, D. (2018). Bolsonaro defende o fim do Ministério do Meio Ambiente: candidato propõe que pasta vire uma secretaria dentro de um novo Ministério de Agricultura e defende o fim das multas feito pelo Ibama e ICMBio. ((o))eco. Recuperado de https://www.oeco.org.br/reportagens/bolsonaro-defende-o-fim-do-ministerio-do-meio-ambiente (Acessado em: 20/05/2021).

Brown, W. (2006) American Nightmare. Neoliberalism, Neoconservatism, and De-Democratization. Political Theory, 34(6), pp. 690-714.

Brown, W. (2019). In the Ruins of Neoliberalism: The Rise of Antidemocratic Politics in the West. New York: Columbia University Press.

Caetano, M. A. L. (2021). Political activity in social media induces forest fires in the Brazilian Amazon. Technological Forecasting & Social Change, 167, pp. 1-10.

Campanharo, W., Lopez, A., Anderson, L., Silva, T., & Aragão, L. (2019). Translating Fire Impacts in Southwestern Amazonia into Economic Costs. Remote Sens, 11(7), pp. 1-24.

Capellari, M., Araújo, S., Calmon, P. & Borinelli, B. (2020). Revista de Administração Pública, %4 96), pp. 1691-1710.

Carvalho, J. (2022). Revisão da bibliografia sobre bancadas temáticas e frentes parlamentares no Brasil (2011/2021). Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais – BIB, 1 (97), pp. 1-16.

Chandini, R.K., Kumar, R. and Om, P. (2019) The Impact of Chemical Fertilizers on our Environment and Ecosystem. In: Research Trends in Environmental Sciences, 2nd Edition, 71-86.

Comissão Pastoral da Terra. (2020). Conflitos no Campo no Brasil 2019. Goiânia: Comissão Pastoral da Terra.

Conselho Indigenista Missionário. (2020). Violência Contra Povos Indígenas no Brasil - Dados de 2019. Brasília: Conselho Indigenista Missionário.

Dardot, P. & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo. São Paulo: Boitempo.

Decreto nº 9.759, de 11 de abril de 2019. Presidência da República. Extingue e estabelece diretrizes, regras e limitações para colegiados da administração pública federal. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9759.htm (Acessado em 21/09/2021).

Decreto nº 9.806, de 28 de maio de 2019. Altera o Decreto nº 99.274, de 6 de junho de 1990, para dispor sobre a composição e o funcionamento do Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama. Ministério do Meio Ambiente. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/D9806.htm (Acessado em 21/09/2021).

Dolce, J. (2021). Verdes por fora, vermelho por dentro: Militares no comando da fiscalização ambiental perseguem servidores. Democracia Aberta. Recuperado de https://www.opendemocracy.net/pt/verdes-por-fora-vermelho-por-dentro-militares-comando-fiscalizacao-ambiental-deslegitimam-perseguem-servidores (Acessado em: 15/08/2021).

Ferreira, M., & Fuks, M. (2021). O hábito de frequentar cultos como mecanismo de mobilização eleitoral: o voto evangélico em Bolsonaro em 2018. Revista Brasileira de Ciência Política, 34, pp. 1-27.

Fischer, F. (2017). Climate Crisis and the Democratic Prospect: Participatory Governance in Sustainable Communities. Oxford: Oxford University Press. 352 pp.

Frontline Defenders. (2020). Global Analysis 2019. Dublin: Front Line Defenders.

Gudynas, E. (2013). Extracciones, extractivismos y extrahecciones. Un marco conceptual sobre la apropiación de recursos naturales. Observatorio del Desarrollo, 18, pp. 1-18.

Hirschman, A. (1991). The Rhetoric of Reaction. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press.

Hochstetler, K. (2017). Tracking presidents and policies: environmental politics environmental politics from Lula to Dilma. Policy Studies, 38, pp. 262-276.

Hoerber, T., Kurze, K., & Kuenzer, J. (2021). Towards Ego-Ecology? Populist Environmental Agendas and the Sustainability Transition in Europe. International Spectator, 56(3), 41–55. https://doi.org/10.1080/03932729.2021.1956718

Hüttner M.D., Moreira J.S. (2000). Avaliação ambiental e epidemiológica do trabalhador da indústria de fertilizantes de Rio Grande, RS. J. Pneumologia; 26(5).

Kulin, J., Sevä, I. J., & Dunlap, R. E. (2021). Nationalist ideology, rightwing populism, and public views about climate change in Europe. Environmental Politics, 30(7), pp. 1-15.

Lacerda, M. B. (2019). O Novo Conservadorismo Brasileiro: de Reagan a Bolsonaro. Porto Alegre: Zouk.

Leitão, R., Hoare, A., Uehara, T., & Farhan, A. (2021). A Economia do Manejo Florestal Sustentável na Amazônia. Forest Governance and Legality. Recuperado de https://forestgovernance.chathamhouse.org/publications/a-economia-do-manejo-florestal-sustent%C3%A1vel-na-amaz%C3%B4nia (Acessado em: julho de 2021).

Lima, R. C., Silva, P. F., & Rudzit, G. (2020). No Power Vacuum: National Security Neglect and the Defense Sector in Brazil. Defense Studies, 21, pp.1-23.

Machado, L. Z. (2020). From the time of rights to the time of intolerance. The neoconservative movement and the impact of the bolsonaro government: Challenges for Brazilian anthropology. Vibrant Virtual Brazilian Anthropology, 17, pp. 1–35. https://doi.org/10.1590/1809-43412020v17d458

Marquardt, J., Oliveira, M. C., & Lederer, M. (2022). Same, same but different? How democratically elected right-wing populists shape climate change policymaking. Environmental Politics. https://doi.org/10.1080/09644016.2022.2053423

Mendonça, M., Vera-Diaz, M., Nepstad, D., Da Motta, R. S., Alencar, A.; Gomes, J. C., & Ortiz, R. (2014). The economic cost of the use of fire in the Amazon. Ecological Economics, 49, pp. 89-105.

Ministério Público Federal. (2020). Mineração ilegal de ouro na Amazônia: marcos jurídicos e questões controversas. Brasília, DF: MPF.

MMA. (2018). Áreas Prioritárias para a Conservação, Utilização Sustentável e Repartição dos Benefícios da Biodiversidade Brasileira. Ministério do Meio Ambiente. 2ª atualização. Recuperado de https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/servicosambientais/ecossistemas-1/conservacao-1/areas-prioritarias/2a-atualizacao-das-areas-prioritarias-para-conservacao-da-biodiversidade-2018. (Acessado em 20/08/2022)

Monteiro, V. B.; Penna, C. M. (2021) Diagnóstico para a desindustrialização do Brasil: doença holandesa ou custo Brasil? Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 6, pp. 58706-58733.

Nobre, C. A., Sampaio, G., Borma, L. S., Castilla-Rubio, J. C., Silva, J. S., & Cardoso, M. (2016). Land-use and climate change risks in the amazon and the need of a novel sustainable development paradigm. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 113(39), pp. 10759-10768.

Nunes, R. F., Dias Da Costa, S. A., Da Mota Ferreira, J. M., Oliveira Lima, R. N., Cavalcanti Baptista, R. R., Lopes Serrano, M. O., & Santos Costa, J. F. (2012). Meio ambiente e defesa nacional: Brasil. Coleção Meira Mattos: Revista das Ciências Militares, 25, pp. 1-25.

Observatório do Clima. (2021). “PASSANDO A BOIADA” O segundo ano de desmonte ambiental sob Jair Bolsonaro. Relatório Anual. 2021. Recuperado de https://www.oc.eco.br/wp-content/uploads/2021/01/Passando-a-boiada-1.pdf (Acessado em: 22/02/2021).

Oliveira, F. (2020). Governo Bolsonaro e o apoio religioso como bandeira política. Revista Brasileira de História das Religiões, 7(37), pp. 137-160.

Pereira, L. C. B. (2022). Quase estagnação no Brasil e o novo desenvolvimentismo. Brazilian Journal of Political Economy, 42 (2), pp. 503-531.

Rivera, P., & Fidalgo, D. (2019). Patrimonialismo pentecostal: novo patamar das relações entre religião e política no Brasil recente. Estudos de Religião, 33(2), pp. 77-99.

Rorato, A. C., Picoli, M. C. A., Verstegen, J. A., Camara, G., Bezerra, F. G. S., & Escada, M. I. S. (2021). Environmental threats over amazonian indigenous lands. Land, 10(3). https://doi.org/10.3390/land10030267

Santos, C. R. dos, Polette, M., & Vieira, R. S. (2019). Gestão e Governança Costeira no Brasil: O Papel do grupo de Integração do Gerenciamento Costeiro (GI-GERCO) e sua relação com o Plano de Ação Federal (PAF) de Gestão da Zona Costeira. Revista Costas, 1(1), pp. 135-162.

Seifert Jr., C. A., Stein, G. de Q., & Gugliano, A. A. (2020). Entre Polis e Phisys: A democracia como problema e como solução da crise climática. Ambiente & Sociedade, 23, pp. 1-7.

Silva, T., Silva, F., & Santos, F. (2020). Pecuária bovina de corte brasileira: sua contribuição para o aquecimento global nos últimos 20 anos e o desrespeito aos princípios ambientais constitucionais. Revista Jurídica Lusobrasileira, 6(1), pp. 1285-1317.

Siqueira-Gay, J., Soares-Filho, B., Sánchez, L. E., Oviedo, A., & Sonter, L. J. (2020). Proposed legislation to mine Brazil’s Indigenous Lands will threaten Amazon forests and their valuable ecosystem services. One Earth, 3, pp. 356-362.

Strand, J., Soares Filho, B., Costa, M., Oliveira, U., Ribeiro, S., Pires, G., & Rajão, R. et al. (2018). Spatially explicit valuation of the Brazilian Amazon Forest’s Ecosystem Services. Nature Sustainability, 1, pp. 657-664

Villén-Pérez, S., Anaya-Valenzuela, L., Conrado da Cruz, D., & Fearnside, P. M. (2022). Mining threatens isolated indigenous peoples in the Brazilian Amazon. Global Environmental Change, 72. https://doi.org/10.1016/j.gloenvcha.2021.102398

WWF-Brasil. (2022). Nota Técnica: O que as florestas e o desmatamento têm a ver com a nossa saúde. Recuperado de: https://wwfbr.awsassets.panda.org/downloads/wwf_notatecnica_saude_2022_v6.pdf (Acessado em: 15/08/2022)