A educação eugenista latino-americana

correspondências entre os intelectuais brasileiros e argentinos nas décadas de 1920-1930

Authors

Keywords:

Eugenia, educação eugenista, racismo científico, história dos intelectuais, história da educação, América Latina

Abstract

The science of racial improvement or eugenics was created in the late 19th century by Francis Galton. Based on social Darwinism, this science became popular among the influential Latin American intellectual elite, leading to the creation of organizations committed to the racial improvement of the population through sanitary medicine and combating the “degenerative threats” represented by black, mestizos, foreigners and handicapped people. Supported by historical perspective, the article investigate the utopian-racial project of the eugenic movement in Latin America during the years 1920 to 1930. Through a documentary research of publications by Brazilian and Argentine eugenicists, the article seeks to understand the vicissitudes of the intellectual field that allowed the development of Latin American scientific racism through the institutionalization of eugenic education. In dialogue with the specialized bibliography, it is demonstrated how these documents are fundamental sources in understanding of Brazil-Argentina connection envisioned by the eugenic movement, as well as the permanency of this intellectual support network during the 20th century.

Author Biography

Guilherme Prado Roitberg, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

PhD Student in Education from the Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Master in Education and graduated in History in Universidade Estadual Paulista (UNESP), with degree in Pedagogy and specialization in Philosophy. Member of the Research Group Critical Theory and Education of the Universidade Federal de São Carlos. Focus on the areas of History and Philosophy of Education, developing research in human education, utopias, authoritarianism, scientific racism, eugenics and critical theory of society.

References

Fontes primárias
DELFINO, V. 1925. Correspondência a Renato Kehl. Buenos Aires, Argentina, 12 de março de 1925. Fundo Pessoal Renato Kehl, Departamento de Arquivo e Documentação (DAD), Casa de Oswaldo Cruz (COC).

DELFINO, V. 1919. Corresponência a Renato Kehl. Buenos Aires, Argentina, 18 de março de 1919. Fundo Pessoal Renato Kehl, Departamento de Arquivo e Documentação (DAD), Casa de Oswaldo Cruz (COC).

DOMINGUES, O. 1929. A Hereditariedade em Face da Educação. São Paulo: Melhoramentos.

DOMINGUES, O. 1932. Limalhas de um Eugenista. Boletim de Eugenia, Vol. 38, abril-junho, n.38, p. 26.

ECHEVERRIA, E.; SAAVREDRA, A.M. 1966. Correspondência da Sociedad Mexicana de Eugenesia a Salvador de Toledo Piza Jr. Acapulco, México, 7 de julho de 1966. Biblioteca Salvador de Toledo Piza Jr. Departamento de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ – USP).

GALTON, F. 1988. Herencia y eugenesia. Alianza Universidad: Madrid.

KEHL, R.F. 1919. Conferencia de propaganda Eugenica. In: Sociedade Eugênica de São Paulo. Annaes de Eugenía. São Paulo: Ed. Revista do Brasil, p. 65-80.

KEHL, R.F. 1923. Fada Hygia. Rio de Janeiro: Editora Livraria Francisco Alves.

PIZA Jr., S. de T. 1933a. A Hereditariedade da Cor da Pele no Casamento Branco-Preto. (Conclusão)”. Boletim de Eugenia, Piracicaba, Vol. 5, janeiro-março, n.41, pp. 06-12.

PIZA Jr., S. de T. 1933b. Um programa para a eugenia. Boletim de Eugenia, Piracicaba, Vol. 5, abril-junho, n.42, p. 16.

SAAVEDRA, A. 1969. Correspondência da Sociedad Mexicana de Eugenesia a Salvador de Toledo Piza Jr. Acapulco, México, 12 de junho de 1969. Biblioteca Salvador de Toledo Piza Jr. Departamento de Entomologia, Fitopatologia e Zoologia. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ – USP).

SOCIEDADE Eugênica de São Paulo. 1919. Annaes de Eugenia. São Paulo: Edição da Revista do Brasil.

Bibliografia geral
ADORNO, T.W. 2000. Educação e Emancipação. Tradução Wolfgang Leo Maar. 2ª ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora Paz e Terra S.A..

ADORNO, T.W. 2010. Teoria da Semiformação. In: PUCCI, ZUIN E LASTÓRIA (orgs). Teoria Crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Campinas-SP: Autores Associados, pp.7-40.

ADORNO, T.W.; HORKHEIMER, M. 1985. Dialética do Esclarecimento. Tradução Guido Antônio de Almeida. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

BETHENCOURT, F. 2018. Racismos: das Cruzadas ao século XX. Tradução de Luís Oliveira Santos. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras.

FREYRE, G. 2006. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global.

GEPHE. Grupo de Estudos e Pesquisas Higiene Mental e Eugenia. Arquivos digitalizados. Disponível em: http://old.ppi.uem.br/gephe/. Acesso em 05/01/2020.

HABERMAS, J. 2004. O futuro da natureza humana. São Paulo: Martins Fontes.

HABIB, P.A.B.B. 2010. Agricultura e Biologia na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ): os estudos de genética nas trajetórias de Carlos Teixeira Mendes, Octavio Domingues e Salvador de Toledo Piza Jr. (1917-1937). Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em História das Ciências e da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro.

KANT, I. 2012. Resposta à Questão: O que é Esclarecimento? Beantwortung der Frage: Was ist Aufklärung? Tradução de Márcio Pugliesi. Revista Cognitio, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 145-154, jan./jun 2012. Disponível em: http://bit.do/kant1. Acesso em 05/01/2020.

KERN, G.S. 2016. Educar é eugenizar: racialismo, eugenia e educação no Brasil (1870-1940). Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre.

KINOSHITA, C.T. 2013. Um D. Quixote científico a pregar para uma legião de Panças: os manuais de higiene à sombra da eugenia (1923-1936). Dissertação de mestrado (Educação). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

KINOSHITA, C.T.; ROCHA, H.H.P. 2013. Renato Kehl, Victor Delfino e Alfredo Verano: circulação de ideias eugênicas entre Brasil e Argentina. Anais do VII Congresso Brasileiro de História da Educação. Disponível em: http://bit.do/kehl. Acesso em 05/01/2020.

READERS, G. 1988. O inimigo cordial: o Conde de Gobineau no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988, p.215-252.

ROCHA, S. 2014. Educação eugenica na constituição brasileira de 1934. Anais do X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de 2014. Disponível em: http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/1305-1.pdf. Acesso em 05/01/2020.

SCHNEIDER, E.M.; MEGLHIORATTI, F.A. 2012. A influência do movimento eugênico na constituição do sistema organizado de educação pública do Brasil na década de 1930. Anais do IX ANPED Sul. pp.1-12. Disponível em: http://bit.do/anped2012. Acesso em 05/01/2020.

SCHWARCZ, L.M. 2000. O Espetáculo das Raças: cientistas, Instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras.

SILVA, J.I. 2008. Por uma eugenia latino-americana: Victor Delfino e Renato Kehl. Dissertação (Mestrado). Programa de pós-graduação em História. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

SOUZA, V. S. 2006. A política biológica como projeto: a “eugenia negativa” e a construção da nacionalidade na trajetória de Renato Kehl (1917-1932). Dissertação de Mestrado (História das Ciências), Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz.

STEPAN, N. L. 2005. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Published

2021-03-29

How to Cite

Roitberg, G. P. (2021). A educação eugenista latino-americana: correspondências entre os intelectuais brasileiros e argentinos nas décadas de 1920-1930. Diálogos Latinoamericanos, 29, 101–116. Retrieved from https://tidsskrift.dk/dialogos/article/view/118042