A mão invisível de Deus: sobre a aliança entre liberais e conservadores na nova direita brasileira

Authors

  • Georg Wink University of Copenhagen

Keywords:

Brazil, liberalism, conservatism, catholicism, think tanks, new right

Abstract

In this study, I examine how a common basis of ideas contributes to the consolidation of an alliance between market liberals and conservatives in the current political conjuncture in Brazil, which brought about the rise to power of a new right in 2018. The argument is that, since introduced to Brazil, liberal thinking articulates efficiently with conservativism in order to preserve the social status quo, taking action whenever social reforms seem possible, by indoctrinating decision and opinion makers through an amplified think tank network. The analysis demonstrates the existence of a proximity in ideas nourished discretely by a liberal dimension in conservative thinking (the rediscovered liberal tradition of medieval scholastics) and a religious dimension in liberal thinking, in Brazil inspired mainly by the Austrian School of Economics. This allows the promotion of a new and persuasive liberal-conservative utopianism, which veils both its utopian and eschatological character.

References

Aharonian, Aram; Rangel, Álvaro Verzi. 2018. “Rede Atlas: a força-tarefa dos ‘libertários de ultradireita’' por trás da ofensiva capitalista na América Latina.” CartaMaior 17/08/2018. https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Antifascismo/Rede-Atlas-a-forca-tarefa-dos-libertarios-de-ultradireita-por-tras-da-ofensiva-capitalista-na-America-Latina/47/41429. Acesso em 01/06/2020.
Alexandre, Thiago de Andrade Romeu. 2017. O Instituto Millenium e os intelectuais da nova direita no Brasil. Dissertação de mestrado. Juiz de Fora: UFJF.
Almeida, Paulo Roberto de. 2018. “A Brazilian Adam Smith: Cairu como o fundador da economia política no Brasil no início do século XIX.” Mises – Interdisciplinary Journal of Philosophy, Law and Economics 16 (1): 1–14.
Alves, Cleber Francisco. 2001. O princípio constitucional da dignidade da pessoa humana: o enfoque da doutrina social da Igreja. Rio de Janeiro: Renovar.
Alves, André Azevedo; Moreira, José M. 2009. Major Conservative and Libertarian Thinkers: Salamanca School. New York: Continuum Publishing.
Alves, André Azevedo; Moreira, José M. 2018. De Salamanca a Coímbra y Évora. Madrid: Fundación Universidad Francisco de Vitoria.
Belchior, Elysio de Oliveira. 1977. “A introdução das idéias de Adam Smith no Brasil.” Revista Brasileira de Economia 31 (1): 21–30.
Blyth, Mark. 2017 [2013]. Austeridade: a história de uma ideia perigosa. Tradução de Freitas e Silva. São Paulo: Autonomia Literária.
Bosi, Alfredo. 1988. “A escravidão entre dois liberalismos.” Estudos Avançados 2 (3): 4–39.
Caldeira, Jorge. 1995. Mauá: empresário do Império. São Paulo: Companhia das Letras.
Caldeira, Jorge. 1999. A nação mercantilista: ensaio sobre o Brasil. São Paulo: editora 34.
Cândido, Antônio. 1964. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Vol. 1. São Paulo: Livraria Martins.
Carlotto, Maria Caramez. 2018. “Inevitável e imprevisível, o fortalecimento da direita além da dicotomia ação e estrutura: o espaço internacional como fonte de legitimação dos Think Tanks latino-americanos.” Plural 25 (1): 63–91.
Casimiro, Flávio Henrique Calheiros. 2016. A Nova Direita no Brasil: Aparelhos de Ação Político-Ideológica e a Atualização das Estratégias de Dominação Burguesa (1980–2014). Tese de doutorado. Niterói: Universidade Federal Fluminense.
Chaloub, Jorge. 2013. “Dois liberalismos na UDN: Afonso Arinos e Lacerda entre o consenso e o conflito.” Revista de Estudos Políticos 6: 294–311.
Chafuen, Alejandro. 1986. Christians for Freedom: Late Scholastic Economics. San Francisco: Ignatius Press.
Chafuen, Alejandro. 2003. Faith and Liberty: The Economic Thought of the Late Scholastics. Lanham: Lexington Books.
Cockett, Richard. 1995. Thinking the unthinkable. Think-tanks and the economic counter-revolution 1931–1983. London: Harper Collins.
D’Emic, Michael Thomas. 2014. Justice in the Market Place in Early Modern Spain. Plymouth: Lexington Books.
Dip, Andrea. 2018. Em nome de quem? A bancada evangélica e seu projeto de poder. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
Dreifuss, René 1987a. A internacional capitalista: estratégia e tática do empresariado transnacional, 1918–1986. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo
Dreifuss, René. 1987b. 1964: A conquista do estado. Ação política, poder e golpe de classe. Petrópolis: Vozes.
Featherstone, Mark. 2017. Planet Utopia: Utopia, Dystopia, and Globalisation. Abingdon: Routledge.
Fedeli, Orlando. 2003. “Desigualdade & igualdade: considerações sobre um mito.” Montfort Associação Cultural. http://www.montfort.org.br/bra/veritas/religiao/desigualdade. Acesso em 01/06/2020.
Foucault, Michel. 2008 [1979]. The Birth of Biopolitics: Lectures at the Collège de France, 1978–1979. Tradução de Graham Burchell. Londres: Palgrave Macmillan.
Furtado, Celso. 1959. Formação Econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.
Gambi, Thiago F. R.; Cosentino, Daniel V. 2020. “As ideias econômicas de Mauá e o liberalismo nos trópicos (1860–1878).” América Latina en la Historia Económica 27 (1): 1–19.
Gros, Denise B. 1989. “Os industriais gaúchos e a Constituinte: uma reflexão sobre o ‘Movimento pela Liberdade Empresarial’.” Ensaios Fundação de Economia e Estatística 9 (2): 130–146.
Gros, Denise B. 1993. “Liberalismo, empresariado e ação política na Nova República.” In Empresários e modernização econômica: Brasil anos 90, organizado por Eli Diniz, 134–153. Florianópolis: UFSC/DACON,
Gros, Denise B. 2003. Institutos Liberais e Neoliberalismo no Brasil da Nova República. Tese de doutorado. Campinas: Unicamp.
Gros, Denise B. 2004. “Institutos Liberais, Neoliberalismo e Políticas Públicas na Nova República.” Revista Brasileira de Ciências Sociais 19 (54): 143–159.
Guimarães, Carlos Gabriel. 1997. Bancos, Economia e Poder no Segundo Reinado: o caso da sociedade bancária Mauá, MacGregor& Companhia (1854–1866). Tese de doutorado. São Paulo: USP.
Guimarães, Carlos Gabriel. 2005. “Mauá por trás do Mito.” Revista de História 1 (4): 70–75.
Hayek, Friedrich August. 1948. Individualism and Economic Order. Chicago: University of Chicago Press.
Hayek, Friedrich August. 1960 [1949]. “The Intellectuals and Socialism.” In The Intelectuals: A Controversial Portrait, organizado por George B. de Huzar, 371–384. Glencoe, Illinois: The Free Press.
Hayek, Friedrich August. 1967. “The Road to Serfdom after Twelve Years.” In Studies in Philosophy, Politics and Economics and the History of Ideas, 216–228. London: Kegan Paul.
Hayek, Friedrich August. 1974. “The Pretence of Knowledge.” Conferência nobel em 11/12/1974. https://www.nobelprize.org/prizes/economic-sciences/1974/hayek/lecture. Acesso em 01/06/2020.
Hayek, Friedrich August. 1983 [1960]. Fundamentos da Liberdade. Tradução de Anna Maria Capovilla e José Ítalo Stelle. São Paulo: Visão
Hayek, Friedrich August. 1995 [1988]. A Arrogância fatal: os erros do socialismo. Tradução de Anna Maria Capovilla e Candido Mendes Prunes. Porto Alegre: Ortiz.
Hayek, Friedrich August. 1996 [1970]. “Die Irrtümer des Konstruktivismus und die Grundlagen legitimer Kritik gesellschaftlicher Gebilde.” Conferência. München/Salzburg: Fink.
Hayek, Friedrich August. 2010 [1944]. O caminho da Servidão. Tradução de Anna Maria Capovilla, José Stelle e Liane de Morais Ribeiro. São Paulo: Instituto Mises Brasil.
Huerta de Soto, Jesús. 2017. “God Is a Libertarian.” Foundation for Economic Education 19/10/2017. https://fee.org/articles/god-is-a-libertarian. Acesso em 01/06/2020.
Ibarre, David. 2011. “O neoliberalismo na América Latina.” Revista de Economia Política 31 (2): 238–248.
Kistenmacher, Thiago. 2015. “O ‘Edmund Burke’ brasileiro.” Instituto Liberal. https://www.institutoliberal.org.br/blog/o-edmund-burke-brasileiro. Acesso em 01/06/2020.
Leme, Og. 1986. A ordem econômica: o que há de errado com nosso país? Rio de Janeiro: Instituto Liberal.
Light, Christian; Walter E. Block. 2017. “Christianity, the Free Market, and Libertarianism.” Studia Humana 6 (4): 34–44.
Lisboa, José da Silva. 1956 [1804]. Princípios de economia política. Rio de Janeiro: Pongetti.
Maksoud, Henry. 1988. Proposta de Constituição para o Brasil de Henry Maksoud. São Paulo: Visão.
Mannheim, Karl. 2015 [1929]. Ideologie und Utopie. Frankfurt am Main: Klostermann.
Mariano, Ricardo. 1999. Neopentecostais: Sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Edições Loyola.
Marcuse, Herbert. 1965 [1934]. “Der Kampf gegen den Liberalismus in der totalitären Staatsauffassung.” In Kultur und Gesellschaft I, 23–27. Frankfurt am Main: Suhrkamp.
Martins, Erik Fernando Miletta. 2015. Frames neoliberais na retórica neopentecostal: aspectos referenciais e sociocognitivos. Tese de doutorado. Campinas: Unicamp.
Mercadante, Paulo. 1980 [1965]. A consciência conservadora no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
Merquior, José Guilherme. 1991. O liberalismo: antigo e moderno. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira.
Mises, Ludwig Heinrich. 1940. Nationalökonomie. Theorie des Handelns und Wirtschaftens. Genf: Editions Union.
Oliveira, Plínio Corrêa de. 1987. Projeto de Constituição angustia o Pais. São Paulo: Ed. Vera Cruz.
Onofre, Gabriel da Fonseca. 2018. O papel dos intelectuais e think tanks na propagação do liberalismo econômico na segunda metade do século XX. Tese de doutorado. Niterói: UFF.
Ötsch, Walter Otto. 2013. “The deep meaning of ‘market’. Understanding neoliberal-market-radical reasoning.” Human Geography 6 (2): 11–25.
Ötsch, Walter Otto. 2016. “Die neoliberale Utopie als Ende aller Utopien.” Working Paper Ök-15. Bernkastel-Kues: Cusanus Hochschule. http://hdl.handle.net/10419/191606. Acesso em 01/06/2020.
Paim, Antônio. 1968. Cairu e o liberalismo econômico. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro.
Paim, Antonio (org.). 1987. Evolução histórica do liberalismo. Belo Horizonte: Itatiaia.
Paim, Antonio. 1997. A agenda teórica dos liberais brasileiros. São Paulo: Massao Onho.
Paim, Antonio. 1998. História do Liberalismo Brasileiro. São Paulo: Mandarim.
Prado Jr., Caio; Guimarães, Lúcia Maria P. (orgs.). 2001. O Liberalismo no Brasil Imperial: origens, conceitos e prática. Rio de Janeiro: Revan.
Reale, Miguel. 1964. Os Imperativos da Revolução de Março. São Paulo: Martins.
Rocha, Antonio Penalves. 2001. “Introdução.” In: José da Silva Lisboa, Visconde de Cairu, 9–50. São Paulo: editora 34.
Rocha, Camila. 2017. “O papel dos think tanks pró-mercado na difusão do neoliberalismo no Brasil.” Millcayac 4 (7): 95–120.
Rocha, Camila. 2018. “Menos Marx, mais Mises”: uma gênese da nova direita brasileira (2006–2018). Tese de doutorado. São Paulo: USP.
Rothbard, Murray N. 1976. “New Light on the Pre-History of the Austrian School”. In The Foundations of Modern Austrian Economics, organizado por Edwin Dolan, 52–74. Kansas City: Sheed & Ward.
Santos, Wanderley Guilherme dos. 1987. Crise e Castigo: partidos e generais na política brasileira. Rio de Janeiro: IUPERJ/Vértice.
Santos, Wanderley Guilherme dos. 1988. Paradoxo do liberalismo. Rio de Janeiro/São Paulo: IUPERJ/Vértice.
Santos, Wanderley Guilherme dos. 1998. Décadas de espanto e uma apologia democrática. Rio de Janeiro: Rocco.
Scantimburgo, João de. 1996. História do Liberalismo no Brasil. São Paulo: Editora LTr.
Sciabarra, Chris Matthew. 1995. Marx, Hayek, and Utopia. New York: State University of New York Press.
Silva, Ricardo. 2008. “Liberalismo e democracia na Sociologia Política de Oliveira Vianna.” Sociologias 10 (20): 238–269.
Silveira, Luciana. 2013. Fabricação de ideias, produção de consenso: estudo de caso do instituto Millenium. Dissertação de mestrado. Campinas: Unicamp.
Silveira, Itamar Flávio da; Carvalho, Suelem Halim Nardo de. 2013. “Visconde de Cairu: Um Teórico Liberal do Início do Século XIX no Brasil”. Mises – Revista interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia 1: 129–134.
Soto, Jesús Huerta de. 2000. La escuela austriaca: mercado y creatividad empresarial. Madrid: Síntesis.
Soto, Jesús Huerta de. 2017. “God Is a Libertarian.” Foundation for Economic Education 19/10/2017. https://fee.org/articles/god-is-a-libertarian. Acesso em 01/06/2020.
Souza, Ricardo Timm de; Fossatti, Nelson Costa (orgs.). 2013. Mauá: paradoxos de um visionário – obra Comemorativa dos 200 anos de nascimento do Visconde de Mauá. Porto Alegre: Letra & Vida.
Spaizmann, Gabriela; Sanson, João Rogério. 2006. “Cairu e o Liberalismo Smithiano na Abertura dos Portos.” Análise (Porto Alegre) 17 (2): 258–273.
Stackhouse, Max L. 2005. “Christian Social Movements”. In The Encyclopedia of Religion, Vol. 3, organizado por Mircea Eliade, 446–452. New York: Macmillan.
Stewart, Donald. 1988. O que é o Liberalismo. Rio de Janeiro: Instituto Liberal.
Trindade, Helgio. 1985. “Bases da democracia brasileira: lógica liberal e práxis autoritária (1822/1945).” In Assim renascem as democracias, organizado por Alain Rouquié, Bolívar Lamounier, Jorge Schwarzer, 46–72. São Paulo: Brasiliense.
Vélez Rodríguez, Ricardo. 2015. “A Tradição conservadora brasileira.” Estudos da Filosofia Brasileira. http://www.cdpb.org.br/index.php/estudos. Acesso em 01/06/2020.
Wink, Georg. 2020a. “Olavo de Carvalho e a verdade de Deus.” In Pensadores-chave da direita radical, organizado por Mark Sedgwick [no prelo]. São Paulo: RED Tapioca.
Wink, Georg. 2020b. “La utopía imperial de Brasil y su resurrección en la nueva derecha.” In Nuevos mundos: América y la utopía entre espacio y tiempo, organizado por Juan Pro,
Monika Brenišínová e Elena Ansótegui [no prelo]. Madrid/Frankfurt am Main: Iberoamericana/Vervuert.
Woods, Thomas E. Jr. 2005. The Church and the Market: A Catholic Defense of the Free Economy. Lanham: Rowman and Littlefield.
Xavier, Érico Tadeu. 2009. “Teologia da prosperidade: história, análise e implicações.” Kerigma – Revista Eletrônica de Teologia 5 (2): 120–147.

Published

2021-03-29

How to Cite

Wink, G. (2021). A mão invisível de Deus: sobre a aliança entre liberais e conservadores na nova direita brasileira. Diálogos Latinoamericanos, 29, 71–87. Retrieved from https://tidsskrift.dk/dialogos/article/view/122205