A Amazônia e a política de Integração Nacional

o discurso da modernização entre o passado e o presente

  • Vitale Joanoni Neto
  • Regina Beatriz Guimarães Neto

Abstract

The article presents a reflection about the projects of the Brazilian state, especially after the military coup of 1964, which, with the strong support of the national entrepreneurship, made the Amazon the strategic locus of the development model adopted for the country. We intend to analyse the general power strategy of the dictatorship in Brazil and demonstrate how the Amazon became the political and economic axis in this governmental experience, materialized in several public policies. Under these assumptions, it is important to study governmental discourses and practices that underpin the support that redefined power relations in Brazil, especially by focusing on the various political devices that are embodied in laws, decrees, plans, institutional programs, and in the stateʼs own administrative reform. This last one, carried out during the dictatorship, was not discussed in the National Congress and was supported by the powers of exception of the 2nd Institutional Act - December 1966. The business logic prevailed as an administrative practice, which persisted in the political-administrative structure of the country after the military regime.

References

Bauman, Z. (2005) Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
Bercovici, G. (2010) ’”O direito constitucional passa, o direito administrativo permanece”: a persistência da estrutura administrativa de 1967’, in E. Teles & V. Safatle (eds.) O que resta da ditadura: a exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 77-90.
Brandford, S. & Torres, M. (2017) ‘Soy Invasion Poses Imminent Threat to Amazon, Say Agricultural Experts’. Mongbay, 8 fev. 2017 [Documento www] URL https://news.mongabay.com/2017/02/soy-invasion-poses-imminent-threat-to-amazon-say-agricultural-experts/ [Data de consulta em 09 fev. 2017].
Brasil, Ministério do Planejamento. (1970) Metas e bases para ação de Governo. Brasília: Departamento de Imprensa Nacional.
Brasil. (1996) Portaria nº668, de 1 de novembro de 1996. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Seção 1, p. 22599.
Castro, S.; Barrozo, J. C.; Covezzi, M. & Preti, O. (1994) A colonização oficial em Mato Grosso: a nata e a borra da sociedade. Cuiabá: EdUFMT.
Couto e Silva, G. (1982) Conjuntura polícia nacional: o poder executivo & geopolítica do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio.
Coy, M. & Klingler, M. (2014) ‘Frentes pioneiras em transformação: o eixo da BR-163 e os desafios socioambientais’. Territórios & Fronteiras 7(1) [Documento www]. URL http://www.ppghis.com/territorios&fronteiras/index.php/v03n02/issue/view/14/showToc [Data de consulta em 21 jun. 2014].
Figueiredo, L. (2015) Lugar nenhum: militares e civis na ocultação dos documentos da ditadura. São Paulo: Cia. das Letras.
Freitag, L. & Stanczyk Filho, M. (2010) Região, espaço e poder. São Paulo: Alameda.
Guimarães Neto, R. B. (2002) A lenda do ouro verde: política de colonização no Brasil contemporâneo. Cuiabá: UNICEN.
Guimarães Neto, R. B. (2014) ‘História, trabalho e memória política: trabalhadores rurais, conflito social e medo na Amazônia (1970-1980)’. Revista Mundos do Trabalho 6(11): 129-146.
Gomes, A. M. C. (2013) Olhando para dentro. Rio de Janeiro: Objetiva.
Haesbaert, R. (2004) O mito da desterritorialização: do ’fim dos territórios‘ a multi-territorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
Ianni, O. (1979) Colonização e contra-reforma agrária. Petrópolis: Vozes.
Joanoni Neto, V. (2007) Fronteiras da Crença. Ocupação do Norte de Mato Grosso após 1970. Cuiabá: Tanta Tinta/EdUFMT.
Joanoni Neto, V. (2014) ‘Em busca de outros olhares: o período ditatorial brasileiro e a Amazônia Legal’, in X. C. Barbosa et al. (org.) História, memória e direitos humanos. 50 anos da ditadura militar no Brasil. Salvador: Pontocom.
Luceiro, E. R. & Pereira, A. J. (2000) ‘Reforma agrária no Brasil e a aplicabilidade da proposta do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST): o “Grupo Coletivo Força Jovem” como forma de assentamento–1997/1998’. Revista Economia e Desenvolvimento 11: 70-99.
Martins, J. S. (1997) Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec.
Martins, J. S. (1994) O poder do atraso. São Paulo: Hucitec.
Mato Grosso (1973) Relatório da Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral do Estado. Cuiabá: Imprensa Oficial do Estado.
Miranda L. (2016) Atlas geográfico de Mato Grosso. Cuiabá: Entrelinhas.
Moreno, G. (2007) Terra e poder em Mato Grosso. Política e mecanismos de burla 1892-1992. Cuiabá: EdUFMT/Entrelinhas.
Resende, E. (1971) ‘Estradas da Amazônia’, in Lima et al. (org.) Problemática da Amazônia. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército.
Ricardo, C. (1970) Marcha para Oeste. 4ª ed. São Paulo: José Olympio.
Souza, M. L. (2000) ‘O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento’, in I. E. Castro et al. (org.) Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
Published
2017-12-26
How to Cite
Neto, V., & Neto, R. (2017). A Amazônia e a política de Integração Nacional. Diálogos Latinoamericanos, 18(26), 14. Retrieved from https://tidsskrift.dk/dialogos/article/view/112740
Section
Dossier