Explorando a cartografia: um estudo sobre as ocupações secundaristas

Authors

  • Carolina Simões Pacheco Universidade Federal do Paraná, Brasil

Keywords:

cartography, sociology, political movements, youth movements, student movements

Abstract

Most research in the social sciences assumes a qualitative character when dealing with the theme of social movements. Aiming to contribute to the development of quantitative research and to promote interdisciplinarity, we developed a cartographic project of high school occupations that occurred in Paraná in 2016. To achieve this, we situate the student movement as a youth movement and describe the political action of Brazilian high school students. We then verify the list of occupied schools and developed maps of the numbers of occupations. We observe the concentration of occupations in the largest municipalities of the state and, simultaneously, the decentralized character of the movement. Finally, we adopt the methodology proposed by IBGE, which divides the states into Intermediate Geographic Regions. In this context, this division has proved to be efficient for the sociospatial understanding of occupations and can be applied to the analysis of contestatory movements.

References

Alonso, Ângela. 2012. “Repertório, segundo Charles Tilly.” Sociologia & Antropologia 2 (3): 21-41.

Alonso, Ângela; Botelho, André. 2012. “Repertórios de ação coletiva e confrontos políticos: entrevista com Sidney Tarrow.” Sociologia & Antropologia 2 (3): 11-19.

Amaral, Marina. 2016. “Jaboti não sobe em árvore: como o MBL se tornou líder das manifestações pelo impeachment.” Em Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil, organizado por I. Jinkins, K. Doria e M. Cleto, 49-55. São Paulo: Boitempo.

APP-Sindicato. 2016. “Estudantes ocupam escola em Ponta Grossa.” APP-Sindicato, 1 de agosto de 2016. Disponível em: <https://appsindicato.org.br/estudantes-ocupam-escola-em-ponta-grossa/>. Acesso em 15 de junho de 2020.

Araújo, Alex. 2016. “Alunos ocupam escola em BH contra a divisão de salas com colégio da PM.” G1, 7 de janeiro de 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2016/01/alunos-ocupam-escola-na-regiao-noroeste-de-belo-horizonte.html>. Acesso em 23 de setembro de 2020.

Araújo, Nayra V; Lima, Antônia J. 2010. “Melucci e Tarrow: revisão teórica sobre movimentos sociais.” Em Pauta 7 (25): 115-130.

Barbetta, Pedro. 2002. Estatística aplicada às Ciências Sociais. Florianópolis: Ed. UFSC.

Babbie, Earl. 1999. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Becker, Stuart H. 1993. Métodos de pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Hucitec.

Bradock, Raul. 2016. “Mato Grosso tem 22 escolas ocupadas.” Cicuito Mato Grosso, 8 de junho de 2016. Disponível em: <http://circuitomt.com.br/editorias/cidades/87270-mato-grosso-tem-22-escolas-ocupadas.html> (acesso em 23 de setembro de 2020).

Bringel, Breno. 2007. “O lugar nos movimentos sociais e o lugar da geografia na teoria dos movimentos sociais”, Boletim Goiano de Geografia 27 (2): 35-49.

Bringel, Breno, 2011. “A busca de uma nova agenda de pesquisa sobre os movimentos sociais e o confronto político: diálogos com Sidney Tarrow.” Política & Sociedade 10 (18): 51-73.

Bringel, Breno. 2012. “Com, contra e para além de Charles Tilly.” Sociologia & Antropologia 2 (3): 43-67.

Campos, Antonia; Medeiros, Jonas; Ribeiro, Márcio. 2016. Escolas de luta. São Paulo: Veneta.

Carlos, Euzeneia. 2017. “Cooperação e conflito na relação movimentos sociais e estado.” Política & Sociedade 16 (35): 321-350.

Castells, Manuel. 2013. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. São Paulo: Zahar.

Costa, Adriana; Groppo, Luís Antônio. 2018. O movimento de ocupações estudantis no Brasil. São Carlos: Pedro & João.

Davis, Angela. 2016. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.

Dayrell, Juarez; Carrano, Paulo. 2014. “Juventude e Ensino Médio: quem é este aluno que chega à escola.” Em Juventude e Ensino Médio, organizado por J. Dayrell, P. Carrano, C.L. Maia, 101-134. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Didi-Huberman, Georges. 2016. Que emoção! Que emoção? São Paulo: Editora 34.

ESRI. 2011. ArcGIS Desktop: Release 10. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute.

Garbin, Estevão; Santil, Fernando; Bravo, João V. 2012. “Semiótica e a teoria da visualização cartográfica: considerações na análise do projeto cartográfico.” Boletim de Ciências Geodésicas 18 (4): 624-642.

Groppo, Luís A.; Silva, Rodrigo. 2020. “Experiência e subjetivação política nas ocupações estudantis no Rio Grande do Sul.” Estudos Avançados 34 (99): 409-424.

Hoshino, Camila. 2016. “Por falta de merenda, estudantes secundaristas ocupam primeiro colégio no Paraná.” Brasil de Fato, 18 de maio de 2016. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2016-/05/18/por-falta-de-merenda-estudantes-secundaristas-ocupam-primeiro-colegio-no-parana/>. Acesso em 23 de setembro de 2020.

IBGE. 2017. Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias. Rio de Janeiro: Coordenação de Geografia.

IPARDES. 2017. Mapa das Regiões Geográficas Intermediárias do Estado do Paraná. Disponível em: <http://www.ipardes.gov.br/pdf/mapas/base_fisica/regiao_intermediaria_2017.png>. Aacesso em 13 de abril de 2020.

Loschi, Marília; Ferreira, Diane. 2017. “Compreendendo o território através de suas articulações”. Agência IBGE Notícias, 29 de junho de 2017. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/10542-compreendendo-o-territorio-atraves-de-suas-articulacoes>. Acesso em 20 de junho de 2020.

Martins, Heloisa H. 2004. “Metodologia qualitativa de pesquisa.” Educação e Pesquisa 30 (2): 289-300.

Mascarello, Marcela; Santos, Caio; Barbosa, André. 2018. “Mapas... Por quê? Por quem? Para quem?”, Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais 7 (1): 126-141.

Mattar, Kamille B. 2019. “Entre vilas: a sociabilidade juvenil como produtora de sentidos em um colégio na periferia de Curitiba.” Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Sociologia, no Departamento de Ciências Sociais, Setor de Ciências Humanas, Universidade Federal do Paraná.

Melucci, Alberto. 1996. “A experiência individual na sociedade planetária.” Lua Nova 36: 199-221.

Novaes, Regina. 2013. Juventude: políticas públicas, conquistas e controvérsias. Brasília.

O Mal-Educado. 2015. “Como ocupar um colégio?” O Mal-Educado: Luta e Organização nas Escolas, 21 de outubro de 2015. Disponível em <https://gremiolivre.wordpress.com/2015/10/21/como-ocupar-um-colegio-versao-online/>. Acesso em 20 janeiro de 2020.

Pacheco, Carolina Simões. 2018. “Ocupar e resistir: as ocupações das escolas públicas como parte do ciclo atual de mobilização juvenil no Brasil.” Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Sociologia, Departamento de Ciências Sociais, Setor de Ciências Humanas. Universidade Federal do Paraná.

Peralva, Angelina. 2019. “Conflito e movimentos sociais no acionalismo de Alain Touraine”, Lua Nova 106: 160-194.

Porto Gonçalves, Carlos W. 2006. “A geograficidade do social: uma contribuição para o debate metodológico sobre estudos de conflito e movimentos sociais na América Latina.” Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros 1 (3): 5-26.

Reguillo, Rossana. 2017. Paisajes insurrectos: jóvenes, redes y revueltas en el otoño civilizatorio. Barcelona: NED ediciones.

Sacchet, Teresa. 2009. “Capital social, gênero e representação política no Brasil.” Opinião Pública 15 (2): 306-332.

Santos, Milton. 1997. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp.

Schmidt, Maria A.; Divardim, Thiago; Sobanski, Adriane. 2016. #OcupaPR2016: memórias de jovens estudantes. Curitiba: W.A. Editora.

Silva, Katielle. 2012. “Contribuição teórica da geografia à compreensão dos movimentos sociais urbanos.” Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais 1 (1): 86-98.

Silva, João Paulo S.; Mei, Danielle. S. 2017. “O que aprendemos das ocupações nas escolas em 2015 e 2016?” Em Anais XIII Congresso Nacional da Educere, 12973-12986. Curitiba: Editora Universitária Champagnat.

Singer, André. 2013. “Brasil, junho de 2013: classes e ideologias cruzadas.” Novos Estudos CEBRAP 97: 23-40.

Steiner, Andrea. 2011. “O uso de estudos de caso em pesquisas sobre política ambiental: vantagens e limitações.” Sociologia & Política 19 (38): 141-158.

Stocco, Aline F.; Moraes, Lívia G. 2018. “Ocupações secundaristas no Espírito Santo.” Em O movimento de ocupações estudantis no Brasil, organizado por A. Costa e L.A. Groppo, 225-262. São Carlos: Pedro & João.

Thompson, Edward. 1981. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar.

UBES. 2016a. “Luta secundarista resiste nas 236 escolas ocupadas em todo Brasil.” União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, 15 de junho de 2016. Disponível em <http://ubes.org.br/2016/luta-secundarista-resiste-nas-236-escolas-ocupadas-em-todo-brasil/>. Acessado em 23 de setembro de 2020.

UBES. 2016b. “UBES divulga lista de escolas ocupadas e pautas das mobilizações.” União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, 11 de outubro de 2016. Disponível em <http://ubes.org.br/2016/ubes-divulga-lista-de-escolas-ocupadas-e-pautas-das-mobilizacoes/>. Acessado em 20 de junho de 2020.

Vidrio, Silvia. 2016. “El papel de las emociones en la conformación y consolidación de las redes y movimientos sociales.”. Em Emociones, afectos y sociología: diálogos desde la investigación social y la interdisciplina, organizado por M. Ariza, 399-440. México, D.F.: Instituto de Investigaciones Sociales, UNAM.

Quivy, Raymond. 2005. Manual de investigação em Ciências Sociais. Lisboa: Ed. Gradiva.

Wacquant, Loïc. 2002. Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Yano, Celio. 2019. “10 cidades concentram 42% da população do PR: veja o ranking das mais populosas.” Gazeta do Povo online, 29 de agosto de 2019. Disponível em: <https://www.gazetadopovo.com.br/parana/populacao-maiores-menores-cidades/>. Acessado em 16 de julho de 2020.

Ximenes, Salomão B.; Braz, Marina. A.; Ribeiro, Dillyane.; Sena, Kaliane E. M.; Abreu, Letícia R.; Araújo, Francimara C. 2018. “‘Ao vivo é muito pior’: direitos, resistência e repressão aos estudantes nas ocupações de escolas no Ceará.” Em O movimento de ocupações estudantis no Brasil, organizado por A. Costa e L.A. Groppo, 145-174. São Carlos: Pedro & João.

Published

2022-07-24

How to Cite

Pacheco, C. S. (2022). Explorando a cartografia: um estudo sobre as ocupações secundaristas. Diálogos Latinoamericanos, 30. Retrieved from https://tidsskrift.dk/dialogos/article/view/122726